BATE PRONTO 55

Terminada a campanha eleitoral, após quatro meses de intensos embates, é hora de voltar as atenções para a política de Alagoinhas e seus desdobramentos em função das vitórias e derrotas dos candidatos apoiados na cidade por detentores de mandatos ou por “lideranças” em ascensão, em estado de letargia ou experimentando a terrível curva descendente. Ainda é muito cedo, mas cabem especulações sobre o cenário de 2016, a partir da conformação das forças políticas locais e do cenário estabelecido pós segundo turno. Uns ganharam, outros perderam, mas nada está ganho ou perdido. Um novo jogo será jogado a partir de agora, com vantagens, é verdade, para quem controla as máquinas políticas e administrativas.

Candidatura

Falar e especular sobre a candidatura de Lula em 2018 é um grande desserviço à Nação. É colocar os carros adiante dos bois de forma atabalhoada, demonstrativa de amor e apego excessivo ao poder. Deixem a mulher trabalhar.  Em 2017, aí sim, será a hora de começar a discutir a candidatura de “São Lula”. E que o povo, mais uma vez, decida o nome do mandatário do Brasil.

Prazo

Secretários municipais, secretários dos governos estaduais e ministros de Estado não podem aprazar datas para saídas das funções, pois os cargos pertencem aos chefes dos executivos das três esferas governamentais. É redundante, inadequado e contra o protocolo alguém no exercício de atividades de assessoramento determinar prazos para a entrega da titularidade das pastas.

Câmara de Vereadores I

Os dois vereadores petistas de Alagoinhas – Luciano Sérgio e Radiovaldo Costa – estão fechados com a candidatura de Roberto Torres (SD) à presidência da Câmara de Vereadores. Radiovaldo nega qualquer acordo político e afirma que o apoio se dará em função de compromissos assumidos na melhoria da gestão da Casa. O PT e Paulo Cezar, ao que tudo indica, estarão juntos em uma nova empreitada eleitoral.

Câmara de Vereadores II

Os dois vereadores apresentaram como um dos itens da pauta a melhoria da comunicação do legislativo, que no entendimento de Radiovaldo precisa se aproximar mais da comunidade e facilitar a interlocução com o povo. “Queremos uma comunicação mais dinâmica e eficiente”, ressaltou o petista.

Câmara de Vereadores III

Jorge Mendes, o mais novo opositor da administração municipal, segundo Radiovaldo Costa, votará em Roberto Torres, após  “ser desistido” de sua postulação à reeleição para a presidência da Câmara de Vereadores. Não havia quórum mínimo para a sua recandidatura. Ademais, só existe um Marcelo Nilo na Bahia.

Mesa

Não convidem para a mesma mesa os dois antigos coordenadores da campanha de Jorge  Mendes à Assembleia Legislativa. Os impropérios disparados por um e o outro são de alto coturno, com culpas pelo fracasso eleitoral do vereador sendo disparadas de lado a lado, para quem quiser ouvir. Eles não fazem segredos da performance de ambos no decorrer do processo eleitoral. Coisas da política, que no entanto, resvalaram para questões pessoais.

Derrotados I

Em uma análise fria do resultado eleitoral do domingo para a presidência da República, concordem ou não os apoiadores de Aécio Neves em Alagoinhas, alguns perdedores encabeçam a lista: Paulo Azi (DEM), deputado federal eleito, Juscélio Carmo (PSDB), Gustavo Carmo (PDMB), Jorge Mendes (PROS), Joaquim Mendes (PTC) e outros menos votados, sem qualquer expressão política ou eleitoral.  A grande frente obtida pela candidata petista em Alagoinhas nos dois turnos demonstrou que apoios sem uma eficiente coordenação política nada resolvem. Todo mundo atirando e ninguém acertando o alvo.

Derrotados II

Sem participar do controle das máquinas estadual e federal, os derrotados terão dificuldades para arregimentar apoios e financiamentos em 2016, quando a disputa pela Prefeitura de Alagoinhas exigirá um cofre recheado de cédulas. Nos bastidores e nas conversas em off fala-se na necessidade de milhões aos candidatos mais competitivos. Para ser mais preciso: entre 3 e 5 milhões de reais para viabilizar uma candidatura.

Sumido

O ainda deputado federal Luiz Argôlo (SD) sumiu completamente do cenário eleitoral no segundo turno. Ninguém sabe e ninguém o viu nas rodas políticas. Na última sexta-feira, no começo da caminhada de Rui Costa em Alagoinhas, especulou-se sobre sua possível presença, que não se concretizou. O deputado terá que enfrentar um longo período sabático e deixar de fazer o que mais gosta: política ……………….

Especulações

Muitas especulações sobre os possíveis nomes de candidatos ao Paço Municipal com apoio do prefeito Paulo Cezar e de seu grupo político. José Edésio, Rannyery Miranda  e Sonia Fontes. Fala-se em pesquisas para balizar a escolha, mas qualquer nome, como é natural, muito dificilmente conseguirá unir os 17 partidos que apoiaram a reeleição do alcaide em 2012.  Sonia tem grande rejeição, ainda anônima, no interior do próprio grupo. Defecções serão naturais. Caberá ao prefeito e a seu candidato trabalhar para diminuir a divisão das siglas governistas em nível municipal.

 

 

 

 

 

 

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje