BATE PRONTO 85

Mortes inesperadas sempre nos chocam e deixam lições que devemos seguir. O falecimento do vereador Raimundo Mutuka, na última sexta-feira, comoveu a cidade e demarcou ainda mais sua simplicidade, o trato cortês com seus interlocutores e a busca constante de conseguir obras para as comunidades que representava na Câmara de Vereadores de Alagoinhas. São as trapaças da vida e nada se pode fazer contra elas, que nos espreitam cotidianamente. Seguir em frente e respeitar a memória daquele que partiu deste plano terreno: eis as nossas únicas alternativas.

Vereador I

Leitor assíduo do Alagoinhas Hoje, o ex-vereador Raimundo Mutuka quase sempre compartilhava e curtia as matérias publicadas em grupos do Facebook. Ele também utilizava as redes sociais para propagar suas atividades parlamentares e aquelas que visavam assegurar obras para as comunidades que representava. Deixou bons exemplos.

Vereador II

Destoando dos bons exemplos do parlamentar falecido, a Assessoria de Comunicação da Câmara de Vereadores de Alagoinhas emitiu nota cheia de deslizes, que mais parecia dirigida para o velho jogo dos sete erros. Confundiu obra com “abra”. Grafou administração ao invés de admiração. O presidente do legislativo, Roberto Torres, aparentemente comungou com os erros de sua assessoria, pois assinou a nota oficial sobre a morte de Mutuka.

Vereador III

Em seu Facebook, Torres confundiu féretro com félito, termo inexistente na língua portuguesa. A postagem sumiu de sua página. Possivelmente, um assessor ou amigo mais cuidadoso o alertou sobre o erro de grafia e de sentido. Pensou uma “coisa” e escreveu outra completamente diferente, sem conexão com a realidade. 

CAIO RAMOS PEÇA 1

Vereador IV

Menos de duas horas após a confirmação da morte de Mutuka, o vereador Caio Ramos já publicava nas redes sociais peça publicitária sobre o fato. Neste caso, a agilidade foi entendida como tentativa de faturar com o falecimento do então colega de parlamento. A agência de Caio mostrou rapidez, o que é importante nesta área, mas o mais novo vereador de Alagoinhas não mediu os prós e contras de sua ação.

Vereador V

Quase 24 horas após a morte de Mutuka, a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Alagoinhas emitiu nota de falecimento informando o “passamento” do vereador. O correto teria sido a elaboração de nota de pesar, registrando o posicionamento do prefeito Paulo Cezar.

Vereador VI

Muita gente tentou faturar com a morte de Mutuka, ressaltando uma amizade que não existia. Homem simples, antes do mandato não possuía abertura com diversos segmentos da cidade (nem por isso ele deve ser desmerecido, muito pelo contrário). Inverter a verdade dos fatos, que muitos tentaram, foi uma torpeza sem tamanho. Participando por muitos anos da vida política de Alagoinhas, o editor desta coluna nunca teve qualquer aproximação com Mutuka. Mantivemos contatos circunstanciais na Câmara de Vereadores nos dias de sessões. Não mais do que isso.

Aniversários

No dia 26, o Alagoinhas Hoje completará três anos de atividades. Neste dia, a fábrica do Grupo Brasil Kirin comemorará 17 anos de inauguração. Em 1997, Alagoinhas entrou na rota da alta sociedade paulista. Belmiro Deusdete, radialista e jornalista com longa militância profissional em Alagoinhas, fará aniversário na próxima quinta-feira.

Silêncio

Por diversas vezes, na semana passada, o Alagoinhas Hoje tentou contato com Manoelito Junior, irmão de Luiz Argôlo, para saber o que pensa a família acerca da pena prolatada pelo juiz Sérgio Moro. Junior optou pelo silêncio: não atendeu ligações e nem respondeu as mensagens de WhatsApp.

Novembro Azul

O prefeito Paulo Cezar entrou em contato com o editor do site ontem à noite e elogiou os resultados da campanha Novembro Azul. Cerca de 300 homens compareceram e 200 foram atendidos. Em outra data, provavelmente na primeira semana de dezembro, haverá o prosseguimento da campanha. O que importa é o atendimento dos homens, quase sempre reticentes ao tipo de procedimento médico necessário para avaliar as condições da próstata. Que o mês de dezembro também seja azul.

Pressão

Assessores do governador Rui Costa estariam pressionando os prefeitos da região de Alagoinhas visando impor a aceitação do programa estadual de policlínicas regionais. A maioria dos gestores municipais não vê com bons olhos o projeto. Mais custos para as prefeituras e poucas condições de atender de forma condizente usuários de quase duas dezenas de cidades. No final, a vontade do governador prevalecerá. Alguém duvida?

Pesquisas I

Pelo menos três pesquisas eleitorais serão realizadas em Alagoinhas nos próximos dias. A partir de 1º de janeiro, de acordo com determinações legais, as pesquisas deverão ser registradas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) quando forem publicadas em órgãos da imprensa.

Pesquisas II

Empresários de diversos segmentos estariam patrocinando duas das três pesquisas eleitorais que provavelmente serão feitas em Alagoinhas até meados de dezembro. Apesar da proibição das doações empresariais, muitos empreendedores locais e de outras regiões da Bahia querem obter informações sobre o cenário eleitoral do município. Quais os objetivos destes financiadores de pesquisas? Alguém advinha os propósitos destas pessoas? Muita gente de olho nas futuras facilidades a serem proporcionadas pela Viúva. 

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje