Mais partidos políticos governam os Estados brasileiros a partir de 2015

Os estados brasileiros serão governados por integrantes de nove partidos diferentes, número maior do que o registrado há quatro anos. Em 2010, seis legendas fizeram governadores.

O acréscimo de siglas no poder nos estados segue a tendência de pulverização dos cargos políticos entre as agremiações nas eleições de 2014. Na Câmara dos Deputados, 28 dos 32 partidos em atividade no Brasil elegeram representantes.

Entre os partidos que haviam vencido eleições para governador em 2010, apenas PT e PMDB não sofreram redução no número de estados que comandam. O PMDB subiu de cinco para sete estados. Além das reeleições confirmadas de Luiz Fernando Pezão (RJ) – que era vice de Sérgio Cabral e assumiu o governo no início deste ano – e Confúcio Moura (RO), o partido elegeu hoje José Ivo Sartori (RS). Já estavam eleitos em primeiro turno Renan Filho (AL), Paulo Hartung (ES), Jackson Barreto (SE) e Marcelo Miranda (TO).

O PT manteve cinco governadores. Dois deles confirmaram vitória no segundo turno: Camilo Santana (CE) e Tião Viana (AC) – este último reeleito. No primeiro turno, haviam sido eleitos Fernando Pimentel (MG), Rui Costa (BA) e Wellington Dias (PI). Quatro dos cinco governos petistas estão nas regiões Norte e Nordeste. Dois candidatos do PT à reeleição falharam nas urnas: Tarso Genro (RS) e Agnelo Queiroz (DF).

O PSDB, que havia feito oito governadores em 2010, conseguiu apenas cinco triunfos em 2014, sendo que quatro deles foram reeleições: Simão Jatene (PA) e Marconi Perillo (GO), no segundo turno, e Geraldo Alckmin (SP) e Beto Richa (PR), no primeiro. A única novidade tucana é Reinaldo Azambuja (MS). Assim, o PSDB se concentra no Centro-Sul.

O PSB também sofreu baixas eleitorais: caiu de seis governadores para três. Ricardo Coutinho (PB) se reelegeu em segundo turno, e Rodrigo Rollemberg (DF) confirmou sua vitória na segunda etapa. Paulo Câmara (PE) já havia vencido no primeiro turno. O PSB foi o partido que teve mais candidaturas à reeleição frustradas: foram três, com Renato Casagrande (ES), Camilo Capiberibe (AP) e Chico Rodrigues (RR).

Dois partidos que haviam feito chefes de Executivo estaduais há quatro anos não conseguiram vitórias em 2014. O DEM ficou sem eleger governadores pela primeira vez desde sua fundação, em 1985, como PFL. Em 2010 haviam sido dois, sendo que um deles, Raimundo Colombo (SC), migrou para o PSD durante o mandato e conquistou a reeleição pela nova sigla. O PMN também viu seu governador eleito em 2010 juntar-se ao PSD, e não elegeu ninguém agora.

Novos partidos no poder

Um total de cinco partidos que não tinham governadores elegeram seus candidatos em 2014. Em três casos, foi a primeira vez da legenda. O PCdoB, com mais de 90 anos de existência, conquistou um histórico triunfo com Flávio Dino (MA), ainda no primeiro turno.

Dois partidos criados depois das eleições de 2010 chegaram ao poder: o PSD elegeu Robinson Faria (RN) e reelegeu Raimundo Colombo (SC) – que era filiado ao DEM quando conquistou seu primeiro mandato. O PROS venceu com o reeleito José Melo (AM), que era vice-governador de Omar Aziz e assumiu o mandato em 2014.

O PDT fez dois governadores: Waldez Góes (AP) e Pedro Taques (MT). Já o PP é o responsável pela única mulher eleita governadora em 2014: Suely Campos (RR).

Fonte: TB

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje