SAAE não cobra fornecimento de água em 10 mil residências de Alagoinhas

Uma das facetas da crise enfrentada pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) é sua incapacidade financeira de adquirir hidrômetros para instalar nas novas residências que foram e são construídas em diversos bairros da cidade.

Em conversa com o editor do Alagoinhas Hoje, na manhã deste sábado, o ex-secretário de Governo da prefeitura, Juscélio Carmo, afirmou que o número de residências sem hidrômetros pode chegar a 10 mil, gerando evasão de divisas para autarquia, em um cálculo conservador, de R$ 200 mil por mês, levando-se em consideração a cobrança da tarifa mínima de R$ 20,00 por unidade habitacional.

Ele atribui a crise do SAAE às intervenções do prefeito  Paulo Cezar no direcionamento financeiro da autarquia, passando por cima das prioridades e do planejamento da diretoria. “Os diretores poderão sair, mas o  grande responsável pela crise é o prefeito”, afirmou Juscélio.

O ex-secretário considera gravíssima a falta de condições do SAAE para comprar os hidrômetros, o que demonstra  a lastimável situação econômica e financeira da empresa. “Nas residências antigas, quando o medidor de consumo quebra, é possível cobrar pela média de consumo dos últimos meses, mas nos imóveis novos isso é impossível e o SAAE poderá cobra valores maiores do que o do consumo efetivo, prejudicando os moradores, ou menor, contribuindo para agravar ainda mais a crise financeira da autarquia”, salientou.

Carmo disse ainda que o prefeito tem conhecimento antigo da crise do SAAE e só resolveu fazer as mudanças, que segundo ele precisam ser confirmadas oficialmente, porque representantes dos trabalhadores estiveram com o chefe do Executivo e ameaçaram entrar em greve na próxima semana caso ele não exonere os diretores Sylvio Vianna e Vasco Azevedo.

 

 

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje