Dilma arrecadou menos do que o esperado

Coordenador da campanha de reeleição à Presidência da República de Dilma Rousseff (PT) em São Paulo, Luiz Marinho, admitiu que a arrecadação do comitê financeiro petista ainda está aquém do esperado. Marinho, que é prefeito de São Bernardo do Campo, também entende que a candidatura ainda precisa aprimorar sua organização.  

“Falta de grana e de ajustar a logística. Isso tem que melhorar muito na campanha da Dilma em São Paulo e no Brasil como um todo”, apontou Marinho na noite da última terça-feira (26), no debate presidencial na TV Band. Segundo o coordenador petista, têm ocorrido algumas dificuldades na entrega de material de campanha da presidente Dilma pelo Brasil.

No entanto, Marinho argumentou que não só a campanha de Dilma tem tem tido dificuldade para arrecadar, mas todas as outras. Para ele, o avanço de Marina Silva (PSB) nas pesquisas de intenção de voto pode ter um efeito colateral positivo, com a petista recebendo mais doações por conta de uma suposta resistência do empresariado à candidata do PSB.

Na primeira parcial da arrecadação, divulgada no início de agosto, Dilma declarou ter levantado R$ 9,6 milhões, contra R$ 8,1 milhões de Aécio Neves (PSDB). O número é 22% menor do que no mesmo período de 2010, na primeira eleição dela. O valor não inclui as doações feitas ao comitê financeiro da campanha.

Maior das eleições 2014, o limite de gastos estipulado pela campanha de Dilma é de R$ 298 milhões. Aécio Neves tem o segundo maior teto financeiro, com R$ 290 milhões. 

A campanha de Aécio em 2014 aumentou arrecadação em relação a 2010, quando José Serra foi o candidato do PSDB.

Na primeira parcial, o maior doador de Dilma é a indústria de alimentos JBS, que dou R$ 4,5 milhões, seguido da Ambev, do setor de bebidas, com R$ 4 milhões. A construtora Andrade Gutierrez deu R$ 1 milhão.

Já os maiores valores doados à candidatura de Aécio saíram do Comitê Financeiro Nacional do PSDB para a campanha à  Presidência da República do tucano. Foram R$ 6,7 milhões de um total de R$ 8,1 milhões. O comitê, por sua vez, teve até como maior doador a JBS, com R$ 5 milhões.

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje