BATE PRONTO 35

A Coluna Bate Pronto 35 é a mais quente de todas as que foram publicadas até agora, porque registra um fato íntimo que envolve figuras conhecidas em Alagoinhas. Os nomes, embora de conhecimento do site, foram preservados por conta da necessidade ética e legal de não execrar publicamente a vida privada de nenhum deles. Mas como o fato poderá ter desdobramentos políticos, se não houver a intervenção de bombeiros, o AH decidiu publicar três notas sobre ele. Não há dúvida que as notas atiçarão a curiosidade dos leitores, mas o site exerceu jornalisticamente sua função até o limite máximo possível e dele não poderá passar.

Boa leitura

Babado I

A temperatura está quente nas hostes governamentais, porque um conhecido D. Juan ataca novamente. Desta vez, ao contrário do passado distante, a conquistada não pertence aos escalões intermediários da prefeitura. Os boatos são fortes, mas ainda quase que sigilosos diante do teor explosivo da situação.

Babado II

Das três pessoas envolvidas, duas atuam diretamente na Prefeitura de Alagoinhas e a terceira presta serviço ao município, com grande espaço na administração. Desconfiada da possível traição, esposa procurou a suposta amante para bater boca e disposta a praticar agressões físicas. A morena, de acordo com uma fonte, tem sangue quente e não quer concorrência de alto coturno.

Babado III

Embora a vida privada não seja objeto de análise do Alagoinhas Hoje, o site registra tangencialmente os acontecimentos porque se as informações vazarem – o que já está se verificando -, certamente muitos desdobramentos políticos serão inevitáveis em razão da importância dos nomes envolvidos nesta questão de alcova. O editor do AH já tem os nomes dos (das) participantes do imbróglio amoroso e sexual.

Concurso

O diretor-geral do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), Sylvio Farias Viana, por intermédio da portaria nº 016 de 17 de Julho homologou parcialmente o concurso público realizado no ano passado. A homologação englobou 31 funções de vários níveis de escolaridade. Agora, a autarquia poderá convocar os candidatos aprovados dentro dos limites das vagas. Demorou, mas saiu.

Terceirização  

Os administradores das empresas terceirizadas que prestam serviço à Secretaria Estadual de Educação alegam que sem o reequilíbrio financeiro dos contratos a situação tende a piorar. Eles afirmam que pagam salários em 2013 com valores contratuais de 2011. A desorganização do estado e das empresas não pode penalizar os trabalhadores. A greve dos funcionários da Flex, Delta e LC está mantida até que toda a situação seja resolvida. E o horizonte não é nada bom.

Abrigos I

Após denúncia do Alagoinhas Hoje, a Secretaria Municipal de Saúde deverá resolver a questão do atendimento médico aos idosos que vivem nos sete abrigos da cidade. A Secretaria de Comunicação, contudo, publicou matéria sobre a ação do governo como se fosse um grande feito. Não é, pois durante mais de dez meses o atendimento foi precaríssimo. Numa rápida conversa meramente casual com o editor do site em Salvador, há 15 dias, o prefeito Paulo Cezar demonstrou desconhecer completamente o assunto.

Abrigos II

Não se pode imputar ao prefeito a responsabilidade total das mazelas existentes na administração municipal de Alagoinhas. Ele é o maior responsável, mas não o único. Entretanto, tentar faturar numa situação que envolve o bem estar de pessoas idosas, quando a prefeitura foi omissa durante um longo tempo, é desconhecer as regras mais elementares das boas maneiras. Melhor seria trabalhar e resolver o problema em surdina, do que tentar glorificar a ação do chefe do Executivo.

Publicidade

A Prefeitura de Alagoinhas investiu recursos públicos para fazer a divulgação do lançamento do shopping que será construído e estampou publicidade em várias placas de outdoors. As empresas responsáveis pelo empreendimento é que deveriam ter assumido o ônus da produção e veiculação da mensagem.

Shopping I

Em passado recente, o então proprietário do terreno onde será construído o shopping devia uma soma considerável de impostos ao erário por conta de vários anos de inadimplência. Ele chegou, inclusive, a oferecer o espaço ao município como forma de quitar os débitos. Agora, em um passe de mágica, anuncia-se a construção de um empreendimento de R$ 50 milhões no terreno. Como as dívidas foram equacionadas? Os construtores do shopping compraram o terreno e pagaram as dívidas? A prefeitura concedeu perdão ao montante devido? A sociedade quer respostas.

Shopping II

Que o shopping seja muito bem vindo e consiga construir uma nova mentalidade comercial em Alagoinhas, que em alguns segmentos está atrasada décadas. Mentalidade tacanha é o que não falta em pseudos empreendedores locais, mais preocupados com lucros do que com a satisfação dos clientes. É necessário saber quanto a administração municipal investirá em obras de infraestrutura no entorno no shopping. Na capital do estado, o Salvador Shopping foi o responsável pelo investimento de R$20 milhões nas obras viárias e de mobilidade que facilitaram o acesso dos consumidores.

 

 

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje