As lições de um certo Francisco – Tárcio Mota

Participar da 28ª edição da Jornada Mundial da Juventude, realizada no Rio de Janeiro na última semana, foi uma experiência indescritível. Três milhões de jovens de 150 países unidos em torno de um mesmo propósito: viver a unidade na diversidade. Idiomas diferentes, cores distintas, culturas, realidades sociais das mais diversas, uma verdadeira miscelânea de fé e vida.

Foram dias de muito aprendizado e renovação da nossa fé. Ouvir as palavras do nosso Papa Chico, participar das catequeses com dois bispos baianos, ser acolhido por uma especial família do bairro de Santa Cruz, na Zona Oeste, caminhar mais de 10 quilômetros em meio a milhões de jovens e passar a noite na fria Copacabana me fez perceber a força de nossa Igreja e reascendeu em nós, jovens, a esperança de uma Igreja mais próxima das pessoas, sobretudo as mais marginalizadas.

O papa Francisco foi ao encontro das situações de exclusão e sofrimento e teve atitudes e palavras de solidariedade e carinho para com os pobres e os que sofrem. Aliás, a palavra solidariedade, foi uma das palavras mais usadas pelo Papa nesses dias. As atenções aos doentes e excluídos do bem comum, a visita ao Hospital São Francisco e o encontro com a Comunidade da favela da Varginha foram marcantes. Como não destacar o uso de um veículo popular para ser seu carro oficial; o alojamento despojado e essencial, suas cozinheiras – as próprias irmãs que cuidam da casa –, suas refeições, as mesmas que a maioria dos peregrinos.

Ele homenageou o coração acolhedor e solidário dos brasileiros e a sua disposição para “colocar mais água no feijão”, para receber sempre mais alguém em casa… Chamou a atenção para a necessidade de mais solidariedade para resolver os problemas sociais no Brasil e no mundo. Alertou os jovens e a todos para não seguirem a mentalidade consumista e a não se “empanturrar” de coisas que não matam a fome existencial, mas a levar vida sóbria e atenta às necessidades do próximo.

Muito obrigado Papa Francisco, pela sua presença entre nós! Foi abençoada, marcante e transformadora. Seus ensinamentos e gestos habitarão por muito tempo em nossos corações alimentando mudanças e comprometimentos para vivermos uma Igreja missionária, samaritana, profética e servidora.

Tárcio Mota é jornalista

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje