Wagner silencia sobre 'armas nas ruas' defendidas por Vagner

wagner

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, não quis comentar nesta sexta-feira, 14, o que achou da declaração do presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, sobre “pegar em armas” para defender o governo.

Na quinta, 13, Vagner discursou em um evento da presidente Dilma Rousseff com movimentos sociais. “Somos defensores da unidade nacional, de um projeto nacional. Isso significa ir para as ruas, entrincheirados, com armas na mão, se tentarem derrubar a presidenta Dilma”, afirmou o sindicalista.

Questionado por A TARDE sobre as palavras do dirigente sindical, Wagner não respondeu nada. O ex-governador da Bahia participou nesta sexta, em Salvador, de evento do programa Dialoga Brasil, junto com a presidente. O ministro não discursou na cerimônia.

Já o presidente estadual do PT, Everaldo Anunciação, tentou minimizar a declaração do sindicalista. “Foi a emoção de falar em lutas, de querer contestar”, disse Everaldo.

De acordo com o presidente do PT baiano, “ninguém prega a luta armada no Brasil”. “Há muito tempo o país não tem essa necessidade”, completou, ao defender que o partido utilize “a língua, que é a arma mais eficiente, para convencer”.

Dialoga Brasil

O evento, realizado no Senai Cimatec, marcou a entrada do tema Cultura no programa Dialoga Brasil, iniciativa do governo para que, pela internet, as pessoas possam dar sugestões sobre diferentes temas. Segundo dados apresentados, foram cerca de 8,6 mil propostas até esta sexta. O programa foi lançado no último dia 28 de julho.

A plateia do evento foi formada unicamente por simpatizantes ao PT e filiados, que entoaram gritos de “Não vai ter golpe”.

Estiveram presentes os ministros Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência da República), Arthur Chioro (Saúde), Tereza Campello (Desenvolvimento Social) e Juca Ferreira (Cultura).

Em seus discursos, os ministros falaram sobre programas e ações de suas respectivas áreas. Tereza por exemplo, apresentou dados sobre o Bolsa Família para “combater mitos”. “Alguém vai deixar de trabalhar por causa de R$ 170 mensais, que é a média?”, questionou.

Fonte: A Tarde

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje