Uma reforma para Dilma – Vera Magalhães

Em mais um lance da partida de ”passa anel” entre Executivo e Legislativo, com um empurrando para o outro a batata quente de responder às ruas, o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB), sugeriu que Dilma Rousseff corte de 39 para 25 o número de ministérios.

É uma conta feita para gerar um factoide e um número redondo, e não uma proposta para valer. Se fosse, o PMDB teria de dizer que abriria mão de 36% de seu espaço na Esplanada. Mas Alves não chegou até aí.

Ainda que involuntariamente, no entanto, ele apresenta um número realista caso Dilma quisesse mesmo enxugar o governo –e não criar cargos ridículos como o de diretor do Departamento de Racionalização das Exigências Estatais da Secretaria de Racionalização e Simplificação da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República.

Para chegar ao número mágico, há uma engenharia simples:

1. Tirar o status de ministério de dez secretarias, reduzindo as estruturas e vinculando-as a outras pastas;

2. Tirar o caráter ministerial de órgãos de assessoria da Presidência, como Advocacia-Geral e Controladoria-Geral da União, Gabinete de Segurança Institucional e Secretaria de Comunicação de Governo;

3. Devolver os portos e aeroportos ao Ministério dos Transportes;

4. Extinguir o folclórico Ministério da Pesca e repassar suas atribuições à Agricultura (se nem a pecuária tem sua própria pasta, por que a pesca?);

5. Rever a gambiarra que tornou ministro o presidente do Banco Central, uma jabuticaba lulista;

6. Extinguir a desacreditada pasta das Relações Institucionais e devolver a articulação política à Casa Civil.

A conta é simples e a lógica cristalina, mas tal reforma não sairá porque partidos como o PMDB e caciques como Henrique Alves não permitirão –o risco é romperem com Dilma e implodirem sua reeleição.

Como o plebiscito, a reforma ministerial do PMDB é conversa mole para tentar fazer o gigante dormir.

Vera Magalhães é editora do Painel. Na Folha desde 1997, já foi repórter do Painel em Brasília, editora do caderno ‘Poder’ e repórter especial.

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje