Tatá Aeroplano – Vanguarda em Pleno Voo – Sintia Piol – Exclusivo para o Alagoinhas Hoje

TATA 1

Em 2012, foi lançada uma preciosidade de uma figura pra lá de interessante: Tatá Aeroplano. O rapaz, já conhecido pelas bandas de Sampa como líder do Cérebro Eletrônico e Jumbo Elektro, trabalhou lindamente no seu primeiro projeto solo Cão Sem Dono e que vale muitíssimo a pena conferir. Conheci Tatá através de uma amiga muito querida que enviou entusiasmada o link de Perigas Correr! Foi amor à primeira vista. A música simplesmente não saiu da minha mente por dois dias consecutivos. Imediatamente ouvi todas as suas canções e providenciei o download, disponível gratuitamente no site do músico: http://www.tataaeroplano.com/site/

Tatá surpreende com a naturalidade, poesia, malandragem e senso de humor tanto nas composições quanto nos arranjos musicais. Os títulos das canções já seduzem por si só, e não há como não se divertir ouvindo algumas. As minhas favoritas são Machismo às Avessas e Night Purpurina, cheias de referências charmosas. Cão Sem Dono é um álbum que entretém e vicia, uma apropriação lúdica do caos de São Paulo, onde as canções tem por pano de fundo a cidade de pedra. Histórias risíveis, românticas, intensas, são exploradas em primeira pessoa e vagam por melodias de um retrô propositado, com letras lindas e inteligentes, com direito a muito glitter e glamour decadente.

É inegável também que os músicos que o acompanham nesse trabalho delicado, mas por vezes, ácido e despido de censura, souberam usar o tempero melódico na medida exata para reproduzir uma atmosfera nostálgica, bem anos 60, mas com contexto ultracontemporâneo. Criaram um ambiente noturno e boêmio mui tangente, onde os mais empolgados podem sentir-se perambulando pela night paulistana. Tudo banhado na intensidade da relação com o espaço onde se vive, a relação de amor e ódio com a cidade, e consequentemente com quem nela vive/convive. São cantos que trazem aquela sensação imediata de conforto e identidade, talvez por nos acharmos e nos perdemos diariamente dentro de nós mesmos, nos amores e desafetos, e pelas imediações por onde transitamos.

Essa é uma obra vanguardista. Sente-se inclusive uma proximidade imediata com a poesia concreta Cidade/City/Cité de Augusto de Campos. Atrocidade, fugacidade, lubricidade, multiplicidade, sagacidade, velocidade, voracidade, entre outros predicados atribuídos às grandes metrópoles, e tão bem definidos pelo poeta, estão presentes todo o tempo nas baladas desse álbum.

Viajar neste som garante um tour sem igual, com direito a algumas turbulências, muitas baixarias e situações hilárias em ambientes urbanoides e notívagos, mas também há momentos de calmaria sob o véu noturno de suas baladas. Em suma, Tatá nos presenteia com um universo pulsante de delícias cantadas, de decadência exuberante e doçura cosmopolita. Oferece uma trilha sonora para apreciar a vida enquanto aspiramos aos ares de cidades insones, arrebatadoras e implacáveis. Possibilitando apreciar ou nos remeter aos momentos onde nos sentimos ora como personagem principal, ora vivendo a total insignificância, sendo apenas mais um na multidão.TATA 2

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje