Provável candidato em 2014, Campos aumenta gastos com publicidade em PE

O governador Eduardo Campos (PSB-PE) aumentou em R$ 7 milhões os gastos com publicidade do governo em 2012, alta de 11% em relação ao ano anterior.

Foram R$ 70,7 milhões na “divulgação governamental em todos os meios de comunicação” ante R$ 63,5 milhões em 2011 (já corrigidos pelo IPCA).

Campos investiu mais em propaganda em 2012 do que, por exemplo, em “fornecimento de transporte escolar” (R$ 42,5 milhões) e em “manutenção dos imóveis da rede estadual de ensino” (R$ 37,5 milhões).

Sob responsabilidade da Secretaria da Casa Civil, os gastos com publicidade representaram 0,3% de todas as despesas do governo de Pernambuco em 2012. Em Estados como São Paulo e Minas Gerais, esse percentual ficou em 0,1%.

VÍDEOS

A publicidade do governo incluiu campanhas de combate à violência contra a mulher e de incentivo à leitura, mas também peças de promoção da gestão, como o vídeo “Governo de Pernambuco: Um novo jeito de governar”.

O aumento dos gastos se deu a dois anos da provável candidatura do governador pernambucano à Presidência e no ano em que apoiou a candidatura vitoriosa de Geraldo Julio (PSB) à Prefeitura do Recife.

“Esse gasto não foi feito para informar a população sobre o que aconteceu no Estado. Ele foi abertamente feito para influenciar nas eleições que estavam em curso”, disse o líder da oposição na Assembleia, Daniel Coelho (PSDB), derrotado no pleito do Recife por Geraldo Julio.

A Casa Civil de Pernambuco atribuiu o aumento dos gastos em 2012 à alta de preços da atividade publicitária.

RECORDE

Este ano, segundo o Portal da Transparência estadual, publicidade e propaganda institucional já custaram quase R$ 8 milhões, 0,1% das despesas liquidadas.

O gasto recorde do governo Campos foi em 2009, um ano antes da reeleição. Foram R$ 79,8 milhões, em valores atualizados.

Folha solicitou ao governo do Estado, via Lei de Acesso à Informação, o detalhamento das despesas com publicidade desde 2006.

A Casa Civil recusou o pedido sob justificativa de que a solicitação “foi feita sem qualquer justificativa plausível, nem tampouco demonstração específica da necessidade da informação”.

OUTRO LADO

A Secretaria da Casa Civil de Pernambuco atribuiu o aumento de 11% nos gastos com publicidade aos maiores custos relacionados à atividade.

“Além disso, a consolidação das políticas públicas que norteiam o trabalho do governo trouxe a necessidade de novas abordagens de comunicação”, informou a pasta.

O governo diz que as peças publicitárias servem para informar, promover o turismo e atrair investimentos.

Também avaliou a elevação como “inteiramente necessária” por considerar que o Estado “gasta pouco com publicidade” e nunca ultrapassou, na atual gestão, limites de gastos previstos em lei.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje