Prefeita de Catu quer extinguir 102 cargos de confiança

A prefeita de Catu, Gilcina Carvalho (PR), enviou à Câmara de Vereadores projeto de lei que trata da extinção de 102 cargos de confiança criados pela lei 345/2012. A gestora solicita a extinção dos seguintes cargos: secretário de apoio administrativo (87 vagas); coordenadores de enfermagem (7 vagas); coordenadores do Programa de Saúde da Família (4 vagas); secretário particular do (a) prefeito (a) (1 vaga); assessores técnicos (3 vagas).

Na estrutura atual da Prefeitura de Catu existem 1.022 funcionários efetivos, 169 comissionados e um número não preciso de pessoas contratadas em todas as secretarias. Especula-se que seriam cerca de 210 temporários na folha da prefeitura. A comissão de transição nomeada pelo futuro gestor está levantando estas informações.

Segundo o vereador José Carlos Seles (PT), em conversa telefônica com o Alagoinhas Hoje, provavelmente não haverá tempo para os vereadores votarem a extinção dos cargos comissionados porque a prioridade da Câmara é aprovar a lei orçamentária para 2013 para que o futuro prefeito possa trabalhar a partir do primeiro dia de gestão.

Na entrevista concedida ao Alagoinhas Hoje, Seles afirmou que a prefeita ultrapassou em 2011 o limite prudencial com despesas de pessoal e foi multada pelo Tribunal de Contas dos Municípios em R$ 30 mil.

A prefeita enviou também à Câmara de Vereadores projeto de lei solicitando a revogação da autorização legislativa concedida à administração municipal para tomar empréstimo de R$ 10 milhões à Desenbahia. Os recursos seriam destinados à área de infraestrutura.

Concurso

O objetivo do futuro governo catuense, de acordo com Seles, é realizar concurso no primeiro ano de administração visando preencher vagas existentes em todas as secretarias. “Mas isso será feito quando futuro prefeito e sua equipe assumirem o comando do município”, afirmou.

 

Maurílio Fontes

Exclusiva

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje