Pedrão: Trabalhadores em educação não aceitam parcelamento de salários e mantêm greve

GREVE PEDRÃO DIA 6 DE JUNHO

Em assembleia geral realizada hoje (6), na sede da APLB Sindicato, trabalhadores em educação da Prefeitura de Pedrão decidiram manter a paralisação, que começou no dia 25  de abril. 

A administração municipal havia proposto 0 parcelamento dos salários de maio em quatro vezes. A proposta governista previa os créditos salariais nas contas dos trabalhadores em educação nos dias 30 de junho, 30 de julho, 30 de agosto e 30 de setembro. 

No dia 2 de junho, em Irará, representantes do Ministério Público (MP), da Prefeitura de Pedrão e da APLB Sindicato participaram de reunião visando discutir alternativas para o término da greve. Os secretários municipais de Finanças, Luiz Eudes, e de Educação, Tatiana de Sousa Ferreira Santos, representaram o governo e assumiram alguns compromissos  (documento abaixo).

GREVE PEDRÃO DIA 6 DE JUNHO 2

Os trabalhadores em educação aceitaram as propostas do governo (ver documento acima), mas recusaram duas: parcelamento dos salários de maio e datas diferenciadas para o pagamento dos trabalhadores dos 60% e 40%. Hoje (6), o sistema educacional de Pedrão está paralisado há 29 dias letivos. 

A greve está mantida porque a categoria entende que o parcelamento dos salários é inegociável. 

O diretor da regional Nordeste da APLB Sindicato, João Neto Fraga, participou da assembleia geral e orientou categoria sobre os encaminhamentos a serem tomados de agora em diante.

Com a decisão de hoje, o ano letivo na rede municipal de educação de Pedrão não tem data para recomeçar. 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje