Jornalismo e crítica – I – Samuel Celestino

A função do jornalismo, vale repetir o que deveria ser do conhecimento dos homens públicos –ou os que exerceram a função pública – é informar, denunciar, criticar e defender os interesses públicos. Jamais elogiar. O jornalista, meu mestre, Jorge Calmon costumava dizer, ao se reportar à profissão que os políticos dela não gostam. Para ele quem exerce a atividade pública desdenha a crítica e louva o elogio, que não é função do jornalista sério. A democracia é dependente da liberdade de imprensa sem a qual inexiste o estado democrático de direito.

Gostem ou não os que se aproveitam dos cofres públicos, os que são incompetentes no exercício do cargo que ocupam. Não raras vezes os que se envaidecem no exercício da atividade pública, tornam-se pavões, não entendem que ele é um serviçal da sociedade, e mais nada. Quando assim é, por se achar “poderoso” no cargo, ao ser criticado volta-se contra a imprensa sadia utilizando processos judiciais, como se não bastassem as dificuldades do judiciário entulhado de processos, prejudicando, desse modo, o desenvolvimento do trabalho dos magistrados, que ganham pouco para a montanha de processo que tem que se desincumbir. Fonte: Bahia Notícias

Nota do Editor do Alagoinhas Hoje

Nada mais apropriado para Alagoinhas, nestes tempos em que os críticos são tido como oposicionistas. E os elogios são derramados em profusão.

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje