Prefeita do Conde poderá ser cassada amanhã – Exclusiva – Maurílio Fontes

MARLY MADEIROL 1
Foto – Bahia Atual

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) retoma amanhã à tarde o julgamento da ação de impugnação do registro da candidatura da prefeita do Conde, Marly “Madeirol” Leal de Oliveira (PTN),  de autoria da Coligação Uma Nova Política, Um Novo Conde, que teve como candidato a prefeito o advogado Zironaldo Nunes Barros.

Na quarta-feira passada, quando o plenário do TRE começou a julgar a ação, um juiz votou a favor da confirmação do registro de Marly Madeirol, o segundo votou contra e o terceiro pediu vistas, o que adiou para amanhã a continuidade do julgamento.

Em dezembro, antes da diplomação da prefeita, o juiz eleitoral de Esplanada, Dr. George James, em decisão de primeira instância, julgou intempestiva a “notícia de inelegibilidade” que fazia parte da ação da Coligação Uma Nova Política, Um Novo Conde que pedia o deferimento da impugnação da candidatura de Marly Madeirol.

No dia 23, quando trataram desta questão, os juízes do TRE derrubaram por unanimidade a decisão da comarca de Esplanada.

A Coligação Uma Nova Política, Um Novo Conde em suas argumentações alega que Paulo Madeirol, esposo de Marly, impossibilitado de concorrer, por ser ficha suja, renunciou no final da tarde de 5 de Outubro, menos de 48 horas antes de começar a votação, formalizando sua atitude no cartório eleitoral de Esplanada, e não deu ampla publicidade ao fato, como determina a lei no sentido de esclarecer a população.

No entendimento da coligação, Paulo Madeirol agiu no sentido de confundir a população porque gravou um depoimento, veiculado em 15 carros de som, tendo a música do 55 como fundo de sua fala, afirmando “que havia incluído sua esposa”, filiada ao PTN, cujo número é 19, no trio vitorioso nas eleições de 7 de Outubro.

Em nenhum momento, a gravação de Paulo Madeirol afirmou claramente, como determina a lei, que ele havia renunciado em favor de sua esposa.

O trio era composto de Paulo Madeirol, o candidato a vice-prefeito, Edmir Conceição, e a esposa do ex-prefeito, Marly Madeirol.

Em conversa com o Alagoinhas Hoje, Zironaldo afirmou que Madeirol e seu grupo político cometeram “estelionato eleitoral” porque não divulgaram sua renúncia e que ao votar nele, Paulo Madeirol, na verdade os eleitores estavam votando em sua esposa, cuja foto não apareceu nas urnas.

“É um grande absurdo tudo que o ex-prefeito fez no decorrer do processo eleitoral”, salientou Zironaldo ao Alagoinhas Hoje, acrescentando “que está muito otimista quanto ao resultado do julgamento que acontecerá amanhã no TRE”.

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje