Funcionários dos Correios entram em greve e empresa tem aproximadamente 60 mil correspondências não entregues aos usuários de Alagoinhas

CORREIOS ALAGOINHAS

Funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) entraram em greve ontem (14) e as correspondências não estão sendo entregues, agravando ainda mais os problema enfrentados pelos moradores de Alagoinhas neste setor, que é importante para a economia local.

Os trabalhadores não reivindicam salários. As principais propostas da categoria são as seguintes: melhores condições para o desempenho das atividades laborais e a contratação de carteiros. Atualmente, apenas 10 realizam a entrega das correspondências. 

A população alagoinhense não está recebendo com regularidade as correspondências. Informações não oficiais indicam o acúmulo na sede provisória da ECT, localizada na Avenida Joseph Wagner, de aproximadamente 60 mil correspondências, sem que haja previsão de normalização dos serviços.

Em Feira de Santana, haveria uma montanha de cartas, faturas de cartões de crédito e outros documentos importantes no dia a dia dos moradores de Alagoinhas. 

As entregas de SEDEX, mesmo antes da paralisação, já não cumpriam o prometido pela ECT e também registravam atrasos regulares.

A direção da empresa, com objetivo de tentar minimizar os problemas, estaria planejando “importar” dois carteiros de Santo Antônio de Jesus e contratar mais cinco em regime temporário. 

Usuários da ECT, que residem em Alagoinhas, em algumas situações específicas estão sendo obrigados a retirar suas encomendas na agência de Aramari, que não tem estrutura de pessoal e nem espaço físico para suprir a demanda de serviços. 

A ideia a gerência estadual da empresa era instalar unidade da ECT no Laguna Shopping, mas até o momento o planejamento não se concretizou. 

Pessoal

Aposentadorias ao longo dos últimos anos, funcionários em gozo de férias e afastamentos por problemas de saúde comprometeram a qualidade dos serviços da ECT em Alagoinhas, pois não houve e não há quantitativo de pessoal efetivo para preencher as lacunas. 

A greve tem motivação pouco comum e não há prazo definido para o retorno às atividades.  A paralisação só está acontecendo em Alagoinhas. 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje