Dívida no cartão custa até 654% ao ano

O custo total do crédito rotativo do cartão varia até 600%, conforme o produto e a instituição financeira.

Levantamento da Proteste, associação de defesa do consumidor, com os 20 cartões de crédito mais usados no país mostra que a taxa vai de 93% a 654% ao ano.

Esse custo do rotativo inclui juros, seguros e outras cobranças, como confecção de cadastro para início de relacionamento e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

O estudo, obtido com exclusividade pela Folha, aponta ainda que a anuidade do cartão também varia muito: de zero a R$ 216 por ano.

Além disso, alguns cartões que oferecem anuidade zero no primeiro ano cobram até o dobro dos concorrentes no segundo ano.

Os valores, tanto do juro do rotativo quanto da anuidade, mudam conforme o perfil do cartão e a instituição. Cobram juros mais elevados os cartões cujos clientes oferecem mais risco de calote na avaliação do banco, afirmam especialistas.

“É o que costuma ocorrer com produtos de financeiras, que oferecem crédito com critérios mais flexíveis a consumidores com menor poder aquisitivo”, diz Álvaro Modernell, consultor financeiro.

O levantamento da Proteste confirma a tese: apresentam os maiores custos do rotativo os cartões de financeiras, como Hipercard (que pertence ao Itaú Unibanco), com 654,02% ao ano, Ibicard (Bradesco), com 620,28% ao ano, e Losango (HSBC), com 556,66% ao ano.

RENDA MAIOR

“Já quando o banco lida com um cliente de maior renda, oferece taxas mais baixas”, afirma Modernell.

Os menores custos são de Caixa Turismo Internacional (da Caixa), com 93,39% ao ano, Ourocard (Banco do Brasil), 94,49% ao ano, e Itaucard 2.0 Nacional e Internacional (Itaú Unibanco), com 100,99% ao ano.

Já em relação à anuidade, a lógica é oposta: o custo é maior para clientes de renda mais alta.

Os valores cobrados estão relacionados a programas de benefícios oferecidos pelos produtos, como milhagem aérea e descontos em cinemas e restaurantes.

“Antes de contratar um cartão desse tipo, porém, é preciso fazer as contas para saber se os tais benefícios oferecidos realmente valem a pena”, disse Reinaldo Domingos, educador financeiro.

Segundo o estudo da Proteste, as maiores anuidades são cobradas nos cartões Reward (Santander), de R$ 216 no ano, Itaucard Internacional (Itaú Unibanco), R$ 156 no ano, e Banco Votorantim Internacional (BV Financeira), R$ 138 no ano.

O HSBC Open Card, o Hipercard e o Santander Free isentam o cliente de pagar a anuidade no primeiro ano –neste último, é preciso usar o cartão todos os meses para obter a isenção.

Quanto ao aumento da anuidade de um mesmo cartão de um ano para outro, Modernell afirma que o movimento faz parte da estratégia de captação de clientes. Ou seja, o banco oferece um valor inicial menor, que sobe com o tempo.

“É bem mais caro para a instituição trazer um cliente novo, por custos com telemarketing, por exemplo, do que manter um antigo”, diz.

TARIFAS INDEVIDAS

Outro problema apontado pela Proteste é a cobrança indevida de tarifas dos cartões.

Renata Pedro, técnica da associação, afirma que o BC só permite a cobrança de cinco taxas: segunda via do cartão, saque, pagamento de contas, avaliação emergencial de crédito e anuidade.

De acordo com a Proteste, porém, algumas instituições cobram, por exemplo, por mensagens automáticas sobre movimentação da conta e segunda via de comprovantes e documentos. A associação cita Banrisul, Banco Votorantim, Caixa Econômica, Citibank, HSBC e Itaú Unibanco.

“É preciso ficar atento a todos os custos discriminados na fatura, para não ser surpreendido depois”, diz Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje