Diretora da Maternidade de Alagoinhas nega registros de mortes em série na unidade de saúde

DIRETORA DA MATERNIDADE 1

A enfermeira obstetra Mariana Oliveira Reis Maciel, diretora da maternidade de Alagoinhas, negou registros de mortes em série na unidade, que poderiam ser consideradas fora da normalidade. Boatos circularam, com repercussão na Câmara de Vereadores na terça-feira (17), sobre sete mortes nos últimos dias. 

Em entrevista ao Alagoinhas Hoje, a diretoria afirmou que em quinze dias aconteceram quatro mortes. Duas pacientes, vindas de Pedrão e Esplanada, chegaram à maternidade municipal com gravidezes problemáticas. A criança da mãe esplanadense, de acordo com Mariana Oliveira, já estava morta quando foi examinada pelos médicos. A gravidez da moradora de Pedrão também apresentou problemas e um dos pés da criança, ao invés da cabeça, estava exposto quando ela foi atendida, o que não é normal. 

Duas mulheres alagoinhenses também perderam seus filhos nos últimos quinze dias. Mariana Oliveira explicou à reportagem do Alagoinhas Hoje as condições das grávidas: uma chegou à maternidade municipal com o filho sem vida e a outra enfrentou um problema denominado prolapso de cordão. “As quatro pacientes foram atendidas em tempo e nossa equipe procedeu corretamente”, disse a diretora, acrescentando “que uma das pacientes de Alagoinhas não havia realizado o número adequado de consultas do pré-natal”.

Ela informou que quando uma mulher grávida constata que a criança não se mexeu por doze horas é preciso procurar atendimento médico. O tempo, nestes casos, é fundamental na tentativa de preservar a vida do bebê. 

Marina Oliveira salientou que as condutas médicas em todos os quatro casos foram bem feitas e seguiram os protocolos recomendados. “Fatalidades acontecem”, pontuou, registrando “que a direção da maternidade está aberta para conversar com as famílias visando explicar os procedimentos realizados pelos profissionais com objetivo de esclarecer possíveis dúvidas”.

Segundo Mariana Oliveira, no plantão de emergência da maternidade municipal trabalham dois obstetras, um anestesista e um pediatra para atender as demandas de pacientes da região. “Embora seja uma unidade do município de Alagoinhas, a maternidade atende parturientes de várias cidades vizinhas, de forma igualitária e sem qualquer restrição”, alegou a diretora.

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje