Dilma muda estratégia para lidar com base governista descontrolada

Para tentar enfrentar a volta do recesso branco no Congresso com a base governista ainda descontrolada, a presidente Dilma Rousseff decidiu fazer uma reunião com os líderes aliados na Câmara –principal foco de problemas com o Legislativo.

Dilma quer inaugurar o que interlocutores chamam de “um novo capítulo” na instável convivência com o Legislativo e pedir que os partidos que integram a coalizão voltem a votar com o Executivo.

O plano esbarra em duas dificuldades: a presidente ainda não se recuperou do tombo de popularidade na esteira dos protestos de junho e a economia brasileira, com os cofres públicos minguados, limita o poder de barganha oficial.

Na reunião com líderes, a presidente terá à sua frente representantes da base mais infiel a um presidente da República desde 1989, conforme mostrou a Folha ontem.

Em julho, ao avaliarem a rebelião no Congresso, auxiliares de Dilma fizeram nos bastidores um diagnóstico jamais admitido publicamente: o Planalto perdera suas condições de governabilidade na Câmara, casa mais hostil a ela do que o Senado.

Partidos, o seu PT incluído, empresários, setor financeiro e até mesmo funcionários do Executivo passaram a elevar o tom das críticas e, no caso do Congresso, a cobrar caro pelo apoio.

Foi justamente nesse período que se mudou a dinâmica de votações dos vetos presidenciais. Se, antes, eles mofavam no escaninho do plenário, agora passarão a ser apreciados com regularidade quase mensal. Foi um recado dos aliados.

Embora Dilma não tenha uma agenda legislativa ambiciosa para o segundo semestre, teme ver ciladas armadas por insatisfeitos que tentar surfar na atual fragilidade do Planalto.

Há duas semanas, ela montou uma força-tarefa para garantir o empenho de emendas parlamentares (recursos que congressistas remetem às suas bases eleitorais).

O objetivo era iniciar agosto reduzindo as fricções que distanciam a base aliada de seu comando.

Embora ela tenha preparado um script mais político para reunião de hoje, Dilma deve apresentar alertas sobre o cenário econômico atual. O prognóstico de baixo crescimento e pressão inflacionária recomenda cautela.

Até dezembro de 2012, dizia-se nos bastidores que, a despeito das tradicionais reclamações em relação à falta de diálogo e ao estilo centralizador da presidente, o governo navegada sobre mar nervoso, mas sempre chegava em terra firme.

Precisou acelerar o empenho de R$ 6 bilhões em emendas parlamentares, mandar que ministros fizessem a corte aos congressistas e, agora, convocar a reunião de líderes para mostrar que a presidente está aberta ao diálogo.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje