Campeã em denúncias, garantia estendida cresce 14% em 2013

A parceria entre seguradoras e varejistas no comércio eletrônico ampliou a oferta da garantia estendida. Por outro lado, contribuiu para torná-la o seguro mais reclamado do Brasil, informa ao iG a supervisora de assuntos financeiros do Procon-SP, Renata Reis. “O consumidor é quase sempre pego de surpresa e não tem tempo para refletir antes de contratar o produto”.

As seguradoras arrecadaram prêmios de R$ 1,6 bilhão entre janeiro e julho de 2013 com o produto – um aumento de 14% em relação aos sete primeiros meses do ano passado, segundo a Susep (Superintendência de Seguros Privados), que regulamenta o produto no Brasil. Já os sinistros alcançaram R$ 241,9 mil este ano, ante os R$ 222,5 mil do mesmo período de 2012.

Além da garantia legal e contratual – cedidas gratuitamente –, o mercado oferece estes seguros que prolongam por meses ou anos a cobertura contra possíveis danos, ou que complementam a cobertura do fabricante no período vigente da garantia comum. Saber diferenciar os dois tipos de produtos e conhecer seus itens de exclusão (não previstos em contrato) evita surpresas desagradáveis em caso de necessidade.

A maior causa de frustração contra a garantia estendida é justamente sua cobertura e abrangência, liderando 38,67% das queixas à Secretaria Nacional do Consumidor entre janeiro e 31 de agosto deste ano. Em seguida, a entrega do produto com vícios – quando é devolvido sem apresentar as condições anteriores ao dano – ocorreu em 23,97% das reclamações ao órgão.

Os Procons do País receberam, no total, 14.645 denúncias contra a garantia estendida no período. As cinco categorias com mais problemas foram itens de informática, aparelhos celular, geladeiras, televisores e máquinas de lavar ( veja o gráfico ).

Alteração, descumprimento ou irregularidades no contrato do seguro representaram 5,7% das queixas, seguidas da falta de peças para a reposição do produto (3,1%). “Também ocorre de o reparo não ser feito dentro do prazo informado ou a rede de assistência técnica não ser a mesma do fabricante”, esclarece Renata.

Exija o contrato

A melhor forma de evitar problemas futuros é pedir ao vendedor do produto uma cópia das condições gerais do seguro se a compra for feita em uma loja física. No caso das compras pela internet, o cuidado deve ser ainda maior, segundo o advogado Rodrigo Ribeiro, especializado em relações de consumo nos meios eletrônicos.

“A lei determina que as empresas de e-commerce disponibilizem na internet todas as informações gerais da apólice, como cobertura, data da contratação e validade da garantia estendida”, explica. Procurar se informar sobre a empresa que oferece o seguro é outra recomendação para resguardar-se.

Pesquise os preços

A garantia estendida pode ser paga à vista, mesmo que o produto seja financiado, ou inclusa nas parcelas mensais do bem adquirido. “É preferível quitar à vista o valor do seguro para que o preço final do produto não fique maior”, orienta a técnica do Procon.

Não há um valor estipulado para a cobrança (prêmio) deste tipo de seguro, mas uma pesquisa aleatória em quatro redes de varejo na internet (Submarino, Walmart, Ponto Frio e Americanas.com) apontou uma variação entre 9% e 12% do valor total do produto.

Fonte: iG

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje