BATE PRONTO 81

Mais uma coluna Bate Pronto, desta vez com informações e avaliações sobre a pesquisa eleitoral P&A realizada em Alagoinhas nos dias 3, 4 5 de outubro. O Alagoinhas Hoje publicou com exclusividade os resultados da pesquisa e a mídia radiofônica local repercutiu ontem à noite e na manhã desta quarta-feira os números dos pré-candidatos e as análises do site. Boa leitura e até a próxima leitura.

LUCIANO SÉRGIO 1

Pesquisa I

A segunda pesquisa P&A demonstrou que não são boas as perspectivas eleitorais do vereador petista Luciano Sérgio (foto), que cumpre dignamente seu segundo mandato, com resultados positivos para a sociedade alagoinhense. Mas no campo da disputa majoritária ele ainda está muito verde e não tem robustez para enfrentar uma campanha que se avizinha como a mais competitiva dos últimos anos.

Pesquisa II

Os números desfavoráveis são eloquentes. Luciano Sérgio esteve em seis cenários P&A:

Cenário 1 – 8 nomes testados: 7º colocado com 3,0%, ganhando apenas para Renato Almeida (novato na política)

Cenário 5 – 5 nomes testados – Joaquim Neto, João Rabelo, Filadelfo Neto, Juscélio da P Carmo e Luciano Sérgio: 5º colocado (último) com 6,0%

Cenário 6 –  5 nomes testados – Joaquim Neto, Filadelfo Neto, Sônia Fontes, Juscélio e Luciano Sérgio: 5º colocado (último) com 5,7%

Cenário 7 –  5 nomes testados – Joaquim Neto, Filadelfo Neto, Juscélio Carmo, Luciano Sérgio e Renato Almeida: 4º colocado com 6,0%

Cenário 10 – 6 nomes testados – Joaquim Neto, Filadelfo Neto, João Rabelo, Juscélio Carmo, Luciano Sérgio e Renato Almeida: 5º colocado com 6,3%

Cenário 11 – 6 nomes testados – Joaquim Neto, Filadelfo Neto, Sônia Fontes, Luciano Sérgio, Juscélio Carmo e Renato Almeida: 4º colocado com 6,5%.

Pesquisa III

Maior surpresa (obteve bons índices) da pesquisa P&A, o engenheiro civil Filadelfo Neto (PTN) terá que atuar cirurgicamente para diminuir sua rejeição de 31%, a mais alta dentre os pré-candidatos. É tarefa para profissional e não para quem anda em restaurantes da moda alardeando conhecimentos que não tem. Qual a formação acadêmica do parlapatão? Onde estudou marketing político? O grande erro de Delfinho ao longo de sua carreira política foi privilegiar o amadorismo em detrimento do profissionalismo. Deu no que deu.

Pesquisa IV

Por natureza, Filadelfo é um grande otimista e sempre acredita na vitória eleitoral tendo como base a seguinte premissa: “Agora, é a minha vez, pois sou o melhor candidato”. Sem dúvida, é um homem de honorabilidade inatacável, investidor em diversos segmentos econômicos de Alagoinhas e tem família tradicional no município. Muitos, os mais velhos, ainda se lembram do Dr. Jonga, seu irmão, sempre brincalhão. Para Filadelfo se viabilizar, mesmo que as condições atuais aparentemente sejam aprazíveis, ele precisará correr contra o tempo e montar estrutura realmente profissional sob a orientação de especialista em marketing político.  Alagoinhas não é terra para amadores.

Pesquisa V

Apesar de seu crescimento no item espontâneo e dos números obtidos nos diversos cenários entre os pré-candidatos, a secretária de Infraestrutura da Prefeitura de Alagoinhas, Sônia Fontes, tem grandes desafios à frente: em primeiro lugar, como pressuposto urgente, precisará ser o nome para o qual convergirão os apoios das diversas correntes do grupo do prefeito Paulo Cezar (uma fonte disse hoje ao editor da coluna que 80% dos líderes políticos cezistas a rejeitam); terá que crescer nas próximas duas pesquisas e atingir entre 18% e 22% até final de março; não poderá depender exclusivamente do apoio do chefe do Executivo, que nega, mas não consegue esconder sua preferência pela ex-contemporânea de Assembleia Legislativa; e viabilizar pontes com certos segmentos recalcitrantes e que não aceitam sua candidatura, considerada premiação desmesurada, incompatível com os serviços prestados ao povo alagoinhense. 

Pesquisa VI

Ademais, Sônia Fontes, apesar da presença solar do prefeito Paulo Cezar, comandante de sua candidatura, terá que, a partir de determinado momento, demonstrar capacidade de acomodar interesses divergentes e assumir compromissos a serem cumpridos em sua hipotética futura administração. É bom lembrar que cabos eleitorais, com mandatos ou apenas influência, sempre desejam formalizar tratativas com que pode chegar ao poder e não com quem está de partida. Por isso, em algum estágio da campanha Paulo Cezar terá que proporcionar asas a Sônia Fontes.

Pesquisa VII

O índice máximo de 2% obtido por Renato Almeida não é surpresa para ninguém que conhece um pouco a política de Alagoinhas. Sem tradição neste segmento, Almeida não poderia almejar mais do aquilo que obteve. Eis a grande questão: vai continuar ou vai desistir?

Pesquisa VIII

João Rabelo até que apareceu bem na pesquisa, colado em Sônia Fontes na intenção de voto, e empatado na rejeição. Mas enfrenta um grande e intransponível obstáculo: não conta com apoio do prefeito, a quem dedicou fidelidade canina nos últimos anos, da primeira dama e do entorno palaciano. Está sem margem de manobra e terá que se contentar, se possível, com uma candidatura à Câmara de Vereadores. E se aliar a Sônia Fontes para ter alguma perspectiva futura, caso ela vença o pleito majoritário.

Pesquisa IX

Muito bem posicionado na pesquisa P&A, o médico Joaquim Neto (DEM) continua usando seu ofício com objetivo claro de fazer política. E continuará. Para Alagoinhas, uma das principais cidades do estado, isso é pouco. Ele precisa apresentar aquilo que fez de positivo nas suas três gestões em Sátiro Dias. O que Joaquim implantou de relevante na área de saúde do município? Alagoinhas quer mais que jalecos, receituários e estetoscópios. E merece muito mais.

Pesquisa X

O prefeito Paulo Cezar, segundo uma fonte da coluna, teria dito que Sônia Fontes tem mais do que os 10,7% (no melhor cenário) registrados pela pesquisa. Sendo assim, ele deveria também desprezar seus índices de aprovação. Não dá para acreditar em meia pesquisa ou apenas naquilo que é conveniente.

 

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje