Vacina contra tabagismo é testada em humanos

Vacina promete reduzir o vício em cigarro - Foto: Fernando Amorim | Ag. A TARDE | 30.05.2011

Há pouco menos de um ano, o personal trainer baiano Henrique Ferreira* resolveu mudar de vida e abandonar velhos hábitos: largou a bebida, as festas noturnas e a alimentação desregrada, começou a pegar pesado na malhação e conseguiu emagrecer 27 kg.

Com força de vontade, Henrique passou a levar uma vida saudável e mantém a perda de peso e o condicionamento físico como uma constante. Entretanto, mesmo após tantas privações bem sucedidas, ele ainda não conseguiu se livrar do vício do cigarro.

“Algumas pessoas me falaram que o cigarro era o último vício a ser deixado e pude comprovar isto. É como se fosse um hábito antigo difícil de ser abandonado, quase automático. Às vezes, eu fumo um cigarro e acendo outro em seguida porque esqueci que fumei o primeiro”, revela ele.

Anunciada em 2012, uma vacina antitabagismo pode ser a luz no fim do túnel para casos como o de Henrique, de pessoas que sabem dos males que a nicotina e outras milhares de substâncias tóxicas inaladas durante o fumo causam no organismo mas, nem por isso, conseguem parar de fumar.

Agora, a vacina que faz o organismo produzir anticorpos contra a nicotina – substância que provoca a dependência – começou a ser testada em 275 pessoas de 18 a 60 anos no Canadá, após a pesquisa obter sucesso em roedores.

“A ideia é que esses anticorpos ‘grudem’ na nicotina e, como se tornarão uma única molécula ‘grande’, não conseguirão ultrapassar a barreira hematoencefálica  [cerebral]. Assim, a nicotina não chegará ao cérebro e a pessoa não irá obter a sensação de prazer com o cigarro”, explica Jéssica Presa, diretora médica de vacinas da América Latina e Canadá da Pfizer, em entrevista ao R7.

A Pfizer, que desenvolve o estudo, informou que a vacina antitabaco está em estágio inicial (fase 1) e deve ser concluído em dezembro desse ano. Nessa etapa, são avaliadas a segurança, a tolerabilidade, a imunogenicidade (capacidade de dar resposta imunológica) e mensuração de dose em adultos.

“Se for uma vacina efetiva, testada, eu tomaria com certeza, porque eu fumo mas sei que não é um bom caminho”, promete o personal trainer.

*Nome fictício

Fonte: A Tarde

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje