Temer diz que país precisa de alguém capaz de 'reunificar a todos' na crise

Após se reunir com os líderes da base aliada e ministros do governo Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer reconheceu o agravamento da crise política e disse que o país precisa de “alguém [que] tenha a capacidade de reunificar a todos”.

Visivelmente nervoso, balançando o corpo para frente e para trás enquanto discursava a jornalistas, Temer fez um apelo público a partidos políticos e setores da sociedade para que, juntos, “todos se dediquem a resolver os problemas do país”. Após dizer que o país precisa de alguém capaz de uni-lo, apresentou-se como esse agente político. “Caso contrário, podemos entrar em uma crise desagradável para o país”, sentenciou.

“Não vamos ignorar que a situação é razoavelmente grave, não tenho dúvida que é grave, e é grave porque há uma crise política se ensaiando, há uma crise econômica que está precisando ser ajustada mas, para tanto, é preciso contar com o Congresso Nacional”, disse o vice-presidente. “Como articulador político do governo, quero fazer esse apelo”, completou.

Segundo o vice-presidente, sua atuação como interlocutor entre o Executivo e o Legislativo foi de “sucesso” até hoje. Agora, continuou, no início do segundo semestre, “agrava-se uma possível crise e precisamos evitar isso em nome do Brasil, do empresariado brasileiro e dos trabalhadores”.

“Eu sei que os brasileiros não contam com isso, querem que o Brasil continue na trilha do desenvolvimento e, por isso, reitero: é preciso pensar no país. Acima dos partidos, acima do governo, e acima de toda e qualquer instituição está o país. Se o país for bem, o povo irá bem. É o apelo que eu faço aos brasileiros e às nossas instituições”, completou.

RESPONSABILIDADE

Durante todo o dia, o vice-presidente se reuniu com senadores e deputados da base aliada e com os ministros Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Eliseu Padilha (Aviação Civil), além do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams. Temer pediu “responsabilidade” para que os parlamentares o ajudem a impedir que sejam aprovados projetos que onerem ainda mais as contas públicas.

No entanto, em seu pronunciamento de pouco mais de cinco minutos, o vice-presidente falou em tom grave sobre “várias questões que preocupam”, sem citar diretamente movimentos liderados pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e líderes da oposição para fazer avançar um processo de impeachment contra Dilma.

Apesar dos esforços para unir a base, que contou inclusive com um jantar oferecido pela presidente na segunda-feira (3) no Palácio da Alvorada, o fim do recesso parlamentar trouxe um cenário sombrio para o governo.

Nesta terça (4), a Câmara decidiu votar o primeiro item da chamada “pauta-bomba”, contrariando o acordo fechado pelo Executivo com Cunha e os líderes da base aliada para adiar a votação de projetos que aumentem ainda mais os gastos da União. Na hora da votação individual sobre a proposta de adiamento, deputados da base votaram contra a orientação de seus partidos.

Para o dia 16 de agosto estão marcadas diversas manifestações contra a presidente Dilma e seu governo, com apoio de partidos da oposição como o PSDB.

Diante do quadro, Temer pediu unidade “acima do governo e dos partidos políticos” e disse que o Brasil precisa ter “uma atuação que repercuta positivamente no exterior. Se nós não tomarmos cuidado, a nossa atuação poderá repercutir negativamente no exterior”, finalizou.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje