Sentenças de Costa e Youssef devem estimular mais delações

A primeira sentença judicial da Operação Lava Jato deverá estimular outros presos e investigados a fazer delação premiada. Os delatores Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef foram beneficiados com regimes mais brandos por terem contribuído com as investigações.

O juiz federal Sérgio Moro condenou o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, a 7 anos e 6 meses de prisão em regime semiaberto. Mas ele deverá ficar em prisão domiciliar até outubro de 2016, quando passará a cumprir o restante da pena em regime aberto.

Já as condenações de Youssef somam 9 anos e dois meses de prisão em regime fechado. O doleiro, no entanto, terá direito ao regime aberto em 2018.

Na sentença, está escrito que Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef seriam os líderes do grupo criminoso no caso de corrupção na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Mas, como colaboraram com a Justiça, ajudaram a esclarecer os crimes e devolveram dinheiro, tiveram os benefícios de uma pena menor.

Leitura política: o crime não compensa, mas a delação compensa.

Fonte: Blog do Kennedy

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje