Seca já pressiona preço de alimentos

No Brasil, o verão de 2014 foi o mais seco e quente dos últimos 71 anos. Encerrado em março, o período não trouxe as esperadas águas. Daqui para frente, a tendência é que o clima fique cada vez mais seco – e os alimentos cada vez mais caros.

A alta nos preços dos alimentos não é novidade. No ano passado, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os preços subiram 8%.

As safras que estão colhendo agora vêm de plantas que cresceram em um começo de ano quente e sem chuvas, o que favoreceu a disseminação de doenças. A quantidade e a qualidade ofertadas pela plantação estão menores e, naturalmente, o preço pode subir. “Já temos registros de produtores com quebra de 30% na produtividade”, conta Renata Pozelli, analista de mercado do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), vinculado à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP).

Fonte: iG

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje