Querem guerra política contra a Rede, diz Marina Silva

Um dos alvos da manobra articulada para a votação do projeto que inibe a criação de partidos, a ex-senadora Marina Silva disse que há uma “guerra política” contra o partido que ela tenta montar para viabilizar sua candidatura presidencial em 2014.

“Acho que é claramente um processo casuístico. Estão querendo fazer uma guerra política contra a Rede”, afirmou.

Marina e seus apoiadores correm contra o tempo para recolher assinaturas necessárias para montar a Rede Sustentabilidade.

Para que a ex-senadora concorra ao Planalto, sua legenda deve estar concluída até pelo menos um anos antes da eleição, ou seja, no início de outubro.

Em 2010, Marina concorreu à Presidência pelo PV, partido que abandonou após se desentender com a cúpula do partido. Na ocasião, ficou em terceiro na disputa.

“Eles anteciparam as eleições e estão fazendo como uma prevenção contra qualquer coisa que possa sair do roteiro. E a forma de continuar no poder é sufocando qualquer ideia nova”, disse a senadora.

Segundo ela, a democracia acaba prejudicada. “Querendo prejudicar uma nova forma de expressão política, aí se comete esse tipo de atrocidade. É a ética de circunstância.”

A ex-senadora afirmou que vai acompanhar a votação do projeto no Senado e disse esperar um “diálogo mais próximo” com os ex-colegas.

“Não precisa uma operação de guerra dessas para sufocar uma força política que não está recrutando deputados e senadores. Essa linguagem de cooptação não é nossa. Estão assombrados com a sua própria sombra.”

Fonte: Folha de São Paulo

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje