Prefeitura de Aramari quer reduzir pela metade o salário mínimo pago aos trabalhadores contratados

Na quarta-feira passada, o secretário de Educação de Aramari, Márcio Vila Flor, comunicou a alguns contratados de sua pasta que existe a apenas uma única alternativa para mantê-los em folha: dois trabalhadores terão que aceitar a divisão do valor relativo ao salário mínimo.

O Alagoinhas Hoje conversou com três fontes que confirmaram a proposta do secretário de Educação.

Nos últimos dias este foi um dos assuntos mais discutidos em Aramari e o fato já é de conhecimento público, demonstrando a completa desorganização administrativa do governo local.

Diante da ilegalidade do que foi informado aos trabalhadores, a administração municipal precisa se pronunciar.

O Ministério Público do Trabalho terá que ser acionado, se a prefeitura insistir nesta proposta, para coibir a concretização de uma situação esdrúxula, inédita, na medida em que for oficializada pelo poder público.

O representante da prefeitura disse aos contratados, de acordo com as fontes do site, que a divisão dos salários é a única forma de mantê-los na folha de pagamento.

Sem outra alternativa, muitos contratados acabarão aceitando a humilhação de dividir um salário mínimo, cujo valor é insuficiente para suprir as necessidades básicas de uma pessoa, quanto mais de uma família.

Especula-se que a Prefeitura de Aramari tenha aproximadamente 300 trabalhadores contratados.

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje