Polícia identifica aliado de Marina em manifestação

Flagrado em fotografias segurando uma barra de ferro e tapando o rosto com uma camiseta da Rede Sustentabilidade, um dirigente do partido que a ex-senadora Marina Silva está organizando admitiu ter participado da confusão que terminou em quebra-quebra no Itamaraty após a manifestação de 20 de junho em Brasília.

O sociólogo Pedro Piccolo, 27, já prestou depoimento à Polícia Civil do Distrito Federal. Na próxima semana, ele também deve ser ouvido pela Polícia Federal, que é a instituição responsável pelo inquérito que apura dano ao patrimônio da União.

O caso de Piccolo também vai ser debatido na próxima reunião da Executiva Nacional Provisória da Rede, marcada para a próxima segunda-feira em Brasília.

EXCITAÇÃO

“Estou à disposição e tranquilo para o que for decidido. Foi uma coisa pessoal minha, fiquei muito excitado, mas não depredei nada”, disse Piccolo à Folha.

Apesar de admitir que estava na porta do Ministério das Relações Exteriores com uma barra de ferro nas mãos e a camiseta do partido, Piccolo nega ter participado da quebradeira do prédio e também protestado em nome da Rede. Ele diz estar arrependido por ter, nas próprias palavras, se excedido.

“Vi uma barra de ferro no chão e a agarrei, inicialmente com a intenção de me defender, caso as coisas piorassem por ali. Depois, com as emoções à flor da pele, a pressionei algumas vezes contra diferentes pontos de uma estrutura também de ferro do próprio prédio e em seguida a joguei. Não quebrei nada”, escreveu Piccolo em sua página na rede social Facebook. O sociólogo afirmou que tinha colocado a camiseta no rosto para se proteger dos efeitos das bombas de gás.

À Folha ele disse que outros integrante da Rede participaram da manifestação, mas somente ele usava a camiseta com a logomarca porque, antes do protesto, estava trabalhando no recolhimento de assinaturas para a formação do partido.

REPÚDIO

Em nota, a Rede informou que repudia todas as formas de violência e que a participação de integrantes ou simpatizantes do partido “não guarda relação com discussões ou posicionamentos da Executiva ou da Comissão Nacional Provisória”.

Além de Piccolo, outras duas pessoas foram identificadas e devem ser intimadas a prestar depoimento para a Polícia Federal já na próxima semana.

Dois manifestantes que confessaram à Polícia Civil ter participado da quebradeira não foram localizados pela Polícia Federal, mas já estão indiciados indiretamente.

Flagrados em fotografias e vídeos, Samuel Ferreira Souza de Jesus, 19, e Cláudio Roberto Borges de Souza, 32, devem responder a processo por dano ao patrimônio público federal.
Outros dois manifestantes prestaram depoimento, mas os agentes federais afirmaram não haver provas contra eles.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje