Para além dos recursos – entre a economia analógica e a economia digital – Antonio Carlos Rocha

Ahhh os recursos para projetos, investimentos, inovações,… de alguma forma existem não é?

Mas onde estão os projetos, os empreendimentos viáveis no nosso estado.??? Projetos, quais projetos ???

(A pergunta que fazemos quando visitamos as empresas em serviços de consultoria, é se existem planos estratégicos que preveem projetos específicos ou setoriais e que os execute de fato?)

Alguns argumentos e chavões dos gestores sobre recursos existentes e seus projetos:

“Não existem recursos suficientes”…,  “os recursos são difíceis de serem acessados”…, “são muitas as exigências”…, “não estou preparado ainda”…,  “participar do edital, linha de financiamento a custo menor,… tem prazo”?, “não desta vez”…, “fica prá próxima”… (ou seja, nunca estamos preparados ).

E os empreendedores nos setores públicos e privados ??? Onde estão ??? … Quais são os planos estratégicos,… estratégicos?”(situações críticas – nada fácil), competências e recursos limitados, com ações e esforços focados), por isso é que são estratégicos, lembrem disso.

Mas estamos no Brasil, país da copa, festas, feriados, eleições de dois em dois anos, prá que melhores argumentos para não empreender e realizar projetos ?

Como é que temos baixa produtividade, PIB com crescimento lento, renda estagnada, IDHs regionais baixos, empresas que vivem na UTI com números e indicadores inaceitáveis pelos acionistas, investidores e gestores?

Temos mercado com 200 milhões de consumidores, um excelente ambiente para gerar transações econômicas internas, fortalecer, sistematizar e girar o K das transações econômicas, gerando atividade, produção e renda. Parece simples aproveitar este ambiente demográfico potencial para as políticas públicas e investimento das empresas, assim, dentre outras políticas, cresceu os EUA.

Mas, como falamos aqui na Bahia, “cadê” os projetos, os empreendimentos e, principalmente, os empreendedores em investimentos, inovações, etc…

 … e assim ano após ano, editais são lançados, programas de incentivo ao investimento ficam a disposição, linhas de financiamento com custos e condições subsidiadas também, mas “os empresários” (porque são poucos os empreendedores), sempre lamentam e não aproveitam, não focam, não dedicam, não vão além do operacional que é a função do empresário, não planejam e não investem para criar um futuro diferente, apenas reagem e lamentam.

Nas crises, que na economia já são previstas, elas são cíclicas e agora não são mais de 50 e 50 anos, são de 5 ou 2 em 2 anos, não culpem o governo, as leis, tributos, bancos e outros que comeram seu queijo. Sejam estratégicos, se adaptem à nova ordem econômica e política mundial. Saímos da economia analógica para a economia digital, se atualizem e inovem…

Se organizem em sindicatos, associações, federações, grupos políticos e de pressão, não para cobrar de ninguém ou alguém? Cobrar de quem? Cada vez mais estas atribuições clássicas estão ficando impessoais e não institucionais (governos). Os grupos empresariais e políticos necessitam ser estratégicos e modernos, se organizarem para propor, empreender, inovar, melhorar as regras do ambiente produtivo, social e competitivo. Ficar choramingando e cobrando como no passado (economia e política analógica, não funciona mais, perda de tempo, gera baixa produtividade), entre na economia e política digital, renove, recrie, inove para permanecer e seguir.

Ah, os recursos, acho que eles existem. Antigamente falávamos que faltavam os projetos,… mas poderemos também engrossar o festival de argumentos  – para não fazer e ficar à espera (não sei do que e de quem),… faltam empreendedores inovadores com visão de futuro…

Ainda prefiro ficar com o dos recursos por enquanto, esses existem e terei argumentos mais razoáveis para o desenvolvimento…

É nóis aí Brasil, vamos na raça, na taça, na copa,… na economia e na inovação também !!!

Antonio Carlos Rocha

Diretor da Cooliba (www.cooliba.com.br)

Economista, consultor em planos estratégicos, captação de recursos, inovação e projetos investimentos.

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje