Mulher de Eduardo Campos pode se candidatar à Câmara dos Deputados

Discreta, ela fala pouco, mas ouve e vê muito. Presente nos bastidores e ao lado do marido em eventos, Renata Campos, 45, pode trocar o papel de primeira-dama de Pernambuco pelo de candidata a deputada federal.

Com a bênção do marido e governador Eduardo Campos (PSB), ela é opção para dar sequência à tradição da família de ter representante no Congresso há quase 30 anos.

O ex-governador Miguel Arraes (1916-2005), avô de Eduardo Campos, foi eleito deputado federal três vezes, a exemplo do neto.

A mãe de Campos, Ana Arraes (PSB), foi eleita duas vezes para a Câmara. Em 2010, foi a deputada federal mais bem votada em Pernambuco, com 387.581 votos.

Mas não há ninguém da família na Câmara desde 2011, quando o governador garantiu à mãe uma vaga como ministra do Tribunal de Contas da União (TCU). O espólio eleitoral de Ana, portanto, ainda não tem herdeiro.

A eleição de Renata manteria os votos “em casa” e ainda garantiria o espaço político do marido, caso ele perca uma provável disputa pela Presidência da República.

“Não seria estranho o governador apresentar a mulher como candidata. A relação familiar não foi impedimento para uma experiência ocorrida recentemente [as eleições de Ana Arraes]”, disse Túlio Velho Barreto, cientista político da Fundação Joaquim Nabuco.

Barreto, contudo, diz acreditar que o governador ainda deverá calcular o impacto que a indicação da mulher e prováveis acusações de “nepotismo” e “coronelismo” terão sobre o seu voo nacional.

FAMÍLIA

Renata não costuma dar entrevistas –não aceitou, por exemplo, o pedido da Folha para falar a esta reportagem. Também não gosta de ver os filhos, Maria Eduarda (21), João (19), Pedro (17) e José (8), expostos nos jornais.

Uma pessoa próxima à família afirmou que a primeira-dama teme prejudicar o marido e, por isso, é arredia com jornalistas.
encontro na infância

Campos e Renata eram vizinhos quando crianças. Começaram a namorar quando ele tinha 15 anos e ela, 13. Entre namoro e casamento, estão juntos há 32 anos.

O governador se refere a ela como “dona Renata”, expressão que caiu no gosto da presidente Dilma Rousseff, que também a trata dessa forma quando vai ao Estado.

A exemplo do marido, é economista. Funcionária de carreira do Tribunal de Contas do Estado, licenciou-se em 2007, quando o marido assumiu o governo de Pernambuco e ela foi cedida à administração estadual.

Na gestão de Campos ela comanda o “Mãe Coruja”, programa de assistência a grávidas pobres. Seu salário de R$ 13,7 mil (já com os descontos) continua sendo pago pelo tribunal –ela não recebe pelo governo.

Renata procura projetar a imagem de pessoa simples, que não abre mão do papel de mãe e dona de casa. Não tinge os cabelos e evita roupas de grife. Usa adornos regionais e comanda uma grande feira anual de artesanato.

Mas quem convive com Renata a descreve também como exigente e detalhista, alguém que fala com desenvoltura sobre qualquer assunto e tem opiniões levadas em conta por secretários e assessores do marido.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje