Ministério da Fazenda é visto como órgão sem comando

 

Na berlinda após o desastroso crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), o Ministério da Fazenda é hoje apontado como uma instituição de três cabeças em que ninguém manda de fato.

 

Interlocutores presidenciais veem um “triunvirato” na pasta, fórmula que ajuda a enfraquecer Guido Mantega, titular oficial do cargo.

 

Dividem com ele o foco dos refletores e do prestígio presidencial o chefe do Tesouro, Arno Augustin, e o secretário-executivo, Nelson Barbosa. Ambos possuem acesso direto e independente ao Palácio do Planalto, resultado da relação próxima com Dilma Rousseff, construída há anos.

 

Enquanto o primeiro auxiliar não só tem a chave do cofre da União como apita em todos os pacotes de infraestrutura, o segundo é tido como o formulador da mudança na poupança, do fundo de previdência para servidores públicos e da reforma em curso do ICMS.

 

Guido Mantega faz a interlocução com empresários e dedica muito de seu tempo a São Paulo, onde reside a nata do PIB. Desembarca em Brasília às segundas-feiras, na hora do almoço, e deixa a capital às quintas à tarde. Sua ausência regulamentar em Brasília neste ano de grande turbulência gera crítica interna e engrossa o “fogo amigo”.

Os ataques velados se avolumaram desde a semana passada, quando o IBGE trouxe ao governo o resultado indigesto do PIB no terceiro trimestre: crescimento de apenas 0,6%. O indicador arremessou no colo do ministro um texto da renomada revista “The Economist” pedindo nada menos que sua cabeça.

Uma decepção, lembrou um interlocutor. Motivo: a publicação está entre as preferidas de Mantega.

Disse a revista: “Se a presidente é pragmática, deveria demitir Mantega, cujas previsões exageradamente otimistas perderam a confiança dos investidores”.

Nos bastidores domésticos, a percepção sobre Guido Mantega afronta uma máxima atribuída ao ex-ministro Mario Henrique Simonsen: “Não há ministro da Fazenda fraco nem forte. Há ministro da Fazenda. E ponto”.

Ninguém no Brasil, nem mesmo expoentes do mercado financeiro, ousou ensaiar sugestão parecida com a feita pela “The Economist”.

Mas um fenômeno chama a atenção: nenhum outro ministro exibe um histórico tão frequente de confirmação no cargo como o de Guido Mantega. Não raro, uma nota oficial ou uma declaração da presidente da República sai do forno oficial para debelar rumores de demissão.

Em todos esses avolumados desmentidos, há uma avaliação consensual entre os assessores realmente próximos da presidente: o ministro só deixa o posto se quiser. Ela não só confia no auxiliar como aposta na melhora da economia no ano que vem.

Eis outro fator a amarrá-lo à cadeira, além da ambição de bater os oito anos de Pedro Malan, o titular mais longevo da pasta: a constatação de que, com ou sem triunvirato, quem de fato pilota a política econômica é Dilma Rousseff. E, nessa fórmula, um ministro voluntarioso ou muito forte não tem espaço.

Para alguns amigos do ministro ouvidos pela Folha, vem da aparente fraqueza a razão de sua existência, e permanência, no cargo.

É justamente a imagem de força que distancia Mantega de Pedro Malan. Interlocutores lembram que a influência do chefe da Fazenda durante os mandatos de FHC era grande o suficiente para derrubar colegas de Esplanada.

Em 3 de setembro de 1999, Clóvis Carvalho, à época titular do Desenvolvimento, fez críticas contundentes à política econômica “monocórdica” de Malan, tida como restritiva ao crescimento.
No dia seguinte, Carvalho se retrata, declara “adesão” ao colega da Fazenda e, poucas horas depois, deixa o cargo “a pedido” do presidente.

Um trecho de reportagem publicada pela Folha na ocasião traz outro flagrante: “Malan mostrara-se insatisfeito com a reação de FHC às críticas de Clóvis”. Algo assim hoje é tido como impensável. Até agora, ministro nenhum de Dilma mostrou-se “insatisfeito” por meio da imprensa.

EQUIPE

Integrantes do Executivo apontam outra diferença na equipe econômica em relação ao formato habitual (BC, Fazenda e Planejamento).

Na composição dilmista, o terceiro ministério praticamente desapareceu do debate macroeconômico, tampouco serve de contraponto às ideias da Fazenda.

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, dedica-se hoje a tocar o PAC (Programa de Aceleração ao Crescimento) e o Orçamento.

Recentemente, recebeu da presidente a incumbência de tentar acelerar a execução de obras no Ministério dos Transportes, após a “faxina” do ano passado. Virou uma espécie de interventora e, não raro, tem de despachar da pasta hoje ocupada por Paulo Sérgio Passos.

Interlocutores dizem que o arranjo sem o Planejamento até diminui outro potencial foco de desgaste para Mantega, pois o livra de um eventual antagonismo. O Banco Central, por exemplo, já não rivaliza com a Fazenda como ocorria nos tempos de Lula.

Mesmo sem opositores públicos no governo, Mantega não se livra das maldades contadas reservadamente. Para colegas, ele é o “ministro fraco, mas que não cai”.

 Fonte: Folha de São Paulo


Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje