Maduro usa Roberto Carlos na TV e assessoria do cantor diz que processará seu governo

Em busca de uma conexão emocional com os venezuelanos, saudosos do magnetismo pop de Hugo Chávez, o presidente Nicolás Maduro resolveu apelar para o romantismo de Roberto Carlos.

São as notas ao teclado de “Detalhes”, em sua versão em castelhano cantada pelo próprio Rei, que introduzem uma propaganda de Maduro.

“Detalles tan pequeños de los dos/son cosas muy grandes para olvidar”, canta Roberto. Então, surge o narrador: “Detalhes – Histórias reais vividas na rota do ônibus da revolução”, uma referência ao passado do chavista como motorista de ônibus.

A produção de pouco mais de dois minutos conta a visita de Maduro em abril passado a eleitores do oponente Henrique Capriles no Estado de Amazonas, com boa parte da população indígena.

“Você é igual a mim. Eu sou igual a você. Sou operário como você”, diz Maduro, de cocar, a duas eleitoras. “Não importa a raiva que vocês tenham do governo. Estamos aqui para proteger vocês.”

Uma delas rebate: “[Raiva] de Chávez não, ouviu?”, numa demonstração de um problema para o herdeiro na campanha e no governo: os chavistas repetem que apoiavam o presidente morto em março, mas não parecem tão dispostos a perdoar as falhas do governo chavista.

O vídeo termina com a decisão do presidente venezuelano de entregar uma nova casa às mulheres.

A propaganda foi exibida no canal estatal VTV há duas semanas, já depois da apertada vitória sobre Capriles por 1,49% dos votos. Está disponível no canal oficial da Presidência da Venezuela no YouTube, que se refere à produção como parte de uma série de vídeos.

Além da voz de Roberto, o canal celebra outra participação brasileira, a do escritor Paulo Coelho, que enviou um conjunto de livros a Maduro, um seguidor do guru indiano Sai Baba, em abril.

“A lealdade é uma pérola entre os grãos de areia que só os que realmente entendem o seu significado podem ver”, lê Maduro, citando Coelho, nas imagens.

SEM AUTORIZAÇÃO

Questionada, a assessoria jurídica do cantor Roberto Carlos informou à Folha que a utilização de “Detalles” “não foi autorizada”.

“Fizemos a notificação jurídica a ser enviada via escritório da Venezuela, à qual se seguirão as medidas indenizatórias pelo uso indevido da obra”, afirmou o advogado Marco Campos.

Segundo ele, o cantor brasileiro não costuma autorizar a utilização de músicas suas para fins políticos.

Não é a primeira vez, no entanto, que a TV estatal usa uma canção de Roberto.

Em fevereiro, peça embalada com “Amigo” falava da amizade dos “irmãos de luta” Evo Morales, presidente da Bolívia, e o então convalescente Chávez.

A assessoria da Presidência da Venezuela não havia respondido aos pedidos de informação sobre o tema até o encerramento desta edição.

A empresa Pólis, de João Santana, informou que o marqueteiro brasileiro não tem vinculação com “Detalles”. Santana não trabalhou na campanha de Maduro, mas dirigiu o depoimento de Luiz Inácio Lula da Silva em apoio ao chavista e autorizou o uso de peças produzidas por ele para Chávez em 2012.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje