IBGE anuncia revisão do sistema de contas nacionais para março de 2015

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estabeleceu para março o anúncio da revisão do Sistema de Contas Nacionais Brasil, atualizando a base de dados para o período 2010-2011. A mudança deve promover alterações nos resultados anuais da atividade econômica até 2013. Além disso, os dados inéditos do Produto Interno Bruto (PIB) referentes ao 4º trimestre deste ano e ao consolidado de 2014 já serão conhecido no novo sistema – este anúncio está previsto para 27 de março de 2015.

A data representa uma espera maior do que o normal. Em geral, os resultados da atividade econômica de um quarto trimestre e do ano fechado são divulgados na última semana de fevereiro ou na primeira semana de março do ano seguinte ao de referência. O atraso, porém, já era previsto, diante da ampla revisão que vem sendo promovida pelo IBGE no Sistema de Contas Nacionais.

“Como desta vez temos o sistema novo, isso deve levar a uma mudança das datas, o que nós ainda estamos avaliando”, já havia adiantado o diretor de Pesquisas do IBGE, Roberto Olinto, em novembro.

A mudança está sendo trabalhada pelo IBGE desde 2012. A divulgação terá de seguir uma ordem, em que primeiro saem os dados revistos das Contas Nacionais Anuais (o que está previsto para o mês de março, ainda sem data específica) e, em seguida, as informações das Contas Trimestrais, no dia 27 de março. “Para rever a série trimestral, tem de fechar as contas anuais”, explicou Olinto em recente entrevista coletiva.

A mudança no Sistema de Contas Nacionais vai promover uma alteração no ano-base da série histórica. Hoje, a base é considerada o ano 2000, e com a atualização passará ao ano de 2010. O novo sistema também vai incorporar dados do Censo Agropecuário de 2006 e da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2008-2009. “Além disso, nós fizemos uma pesquisa específica de consumo de matéria-prima pela indústria, sobre matrizes de consumo”, detalhou Olinto no mês passado.

A atualização também visa a incorporar as novas recomendações internacionais para sistemas de contas, publicadas em 2009 com referência ao ano anterior. Os países teriam o período de 2014 a 2016 para adotarem essas medidas. Uma dessas recomendações, exemplificou Olinto, é que os gastos com pesquisa e desenvolvimento (P&D), bancos de dados e softwares, e gastos com extração mineral passarão a ser contabilizados na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, como os investimentos são calculados no PIB). No sistema atual, esses gastos entram na categoria de consumo.

Fonte: Estadão

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje