Governo limita megalançamentos e filmes só podem ocupar 35% das salas do País

A Agência Nacional de Cinema (Ancine) anunciou nesta quinta-feira (18) um limite para a ocupação de blockbusters nos cinemas brasileiros. Com a nova regra, acordada com exibidores e distribuidoras, um filme não pode ocupar mais de 35% das salas do País.

Megalançamentos como “Jogos Vorazes” e “O Hobbit” são alguns dos filmes que por vezes chegaram a ocupar mais da metade do circuito exibidor do País, que conta com 2,8 mil salas.

A partir de 1º janeiro de 2015, nos complexos com 3 a 6 salas um mesmo filme poderá ser exibido em até duas; nos complexos com 7 ou 8 salas, o limite é de 2,5 salas; nos que têm entre 9 e 11 salas, o limite é de 3; nos que têm entre 12 a 14 salas, de 4; e nos de 15 a 18, o mesmo longa poderá ocupar 5 salas.

“Uma das grandes distorções deste mercado e dos megalançamentos é que por vezes, mesmo um filme ocupando cerca de 1,5 mil telas”, afirmou Manoel Rangel, diretor-presidente da Ancine, em comunicado. “A gente acredita que além da diversidade, essa medida pode induzir a uma maior capilaridade da projeção dos filmes.”

Segundo a Ancine, o acordo foi assinado por 6 distribuidoras e 23 empresas exibidoras, que representam mais de 2,1 mil salas de cinema do País. 

 “O acordo é resultado de um processo regulatório moderno e democrático, porque parte da premissa de que compete ao Estado cumprir a função de acompanhamento do mercado audiovisual, compartilhando as falhas encontradas e convocando os agentes do setor e a sociedade para dialogar e construir soluções para corrigi-las.”

Fonte: iG

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje