Fórum debate fontes de energia renovável

forum-energia-renovavel_1655932

Investimento em energias renováveis e o protagonismo da Bahia neste segmento foram tema do 31º Fórum [B+] realizado na manhã desta terça-feira, 2, no Espaço Verde Paralela, auditório da Odebrecht, em Salvador. Questões como legislação ambiental, financiamento, perspectivas de mercado, desenvolvimento de tecnologia foram tratados pelos palestrantes. Entre estes, Humberto Rangel, diretor de relações institucionais do Enseada Indústria Naval, em Maragojipe, onde estão sendo estudadas soluções integradas para indústrias eólica e automotiva.

Segundo os organizadores do evento, somente no ano passado o Brasil bateu recorde ao aplicar US$ 657 milhões em energia solar. O valor classifica o país como uma das dez potências que apostam em energias limpas.

Reinaldo Dantas Sampaio, superintendente de estudos e políticas públicas da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, explicou que a Bahia produz 50% da energia que demanda, sendo que 70% correspondem a energia não renovável e 30%, renováveis, sendo que existe a perspectiva de que este segmento chegue a 42% até 2019.

Ele disse ainda que mais de 180 projetos foram  comercializados nos leilões de energia realizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Os investimentos no setor eólico são de cerca de R$ 18,4 bilhões, o que movimenta a economia dos municípios, onde os parques são instalados. Em relação a energia solar, está sendo elaborado o mapa solarimétrico do pais para definir parâmetros de investimentos.

Enseada

Em parceria com o governo da Bahia, a Enseada Indústria Naval também está apostando no novo segmento, para oferecer soluções integradas para os mais diversos segmentos da indústria, como o eólico e o automotivo.

De acordo com Humberto Rangel, diretor de Relações institucionais do empreendimento, o Polo Industrial Enseada, implantado e licenciado no município de Maragojipe, garantirá qualidade, produtividade e engenharia de produção para empresas interessadas em expandir sua atuação no estado e no país. O investimento privado é superior a R$ 3 bilhões, dos quais R$ 2,7 já realizados, disponibilizando capacidade industrial, portuária e logística para o Brasil.

O secretário do Meio Ambiente, Eugênio Spengler, e a advogada de direito ambiental Erica Rusch destacaram os cuidados a serem adotados com a proposta da nova Lei Geral de Licenciamento Ambiental que poderá prejudicar o setor. O secretário se disse, porém, satisfeito com o atual quadro do setor de energias renováveis diante do compromisso assumido em 2015 no Fórum Mundial do Meio Ambiente.

Fonte: A Tarde

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje