Dilma promete assumir negociação com partidos, mas aliados duvidam

Recebida com entusiasmo em público e com ceticismo nos bastidores, a presidente Dilma Rousseff prometeu assumir pessoalmente a articulação política com o Congresso e fazer reuniões quinzenais com deputados e senadores.

A promessa foi feita para tentar acabar com o clima de rebelião na base aliada no Legislativo. Dentro do novo roteiro de relação com a base, Dilma já agendou para a próxima segunda-feira reunião com deputados governistas.

Na terça, deve ser a vez dos senadores. O acerto foi feito em reunião com líderes governistas no Senado e busca atender uma das principais queixas dos aliados: a falta de diálogo com o Planalto.

Nos dias em que Dilma não puder ir às reuniões, elas serão conduzidas pelo vice-presidente Michel Temer ou pela ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais).

Líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM) afirmou que a presidente deu início a uma “fase ampliada” de interlocução com os seus aliados, o que é positivo: “Vamos ter as reuniões para discutir questões estratégicas do governo. Sempre vai estar presente, além dos líderes, o presidente da comissão onde tramita a proposta em discussão”.

Reservadamente, senadores e deputados que estiveram com Dilma nos dois últimos dias revelam ceticismo com a promessa. Sob condição de anonimato, um deles disse temer que essa “disposição repentina ao diálogo” pode ser apenas “fogo de palha” de quem está acuada.

Os primeiros testes da presidente serão a votação do projeto sobre a distribuição dos royalties, na próxima semana, e dos vetos presidenciais em sessão do Congresso, marcada para o dia 20.

A disposição de dialogar não foi suficiente, porém, para o governo barrar a votação, em comissão da Câmara, da proposta que torna obrigatória a liberação dos recursos de emendas parlamentares. Dilma teve de negociar para reduzir o tamanho de sua derrota.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje