Cientistas se reúnem para debater sobre o zika vírus

aedes-zika

Pesquisadores de várias partes do Brasil estiveram reunidos neste sábado, 23, em Salvador, para debater defeitos congênitos que podem ser causados por zika nos bebês, além da microcefalia. A Bahia é o segundo estado em número de casos notificados pelo vírus no país, atrás somente de Pernambuco.

Realizada no Hotel Mercure, no Rio Vermelho, a II Jornada Científica do Sistema de Informação sobre Agentes Teratogênicos da Bahia da Universidade Federal da Bahia ocorreu dias após cientistas descobrirem que o pernilongo comum pode transmitir o vírus, além do Aedes aegypti.

“Diante da epidemia que estamos vivendo, decidimos abordar esse tema para discutir avanços nas pesquisas, tratamentos e, principalmente, prevenção na Bahia, que tem elevado número de casos”, explicou o coordenador do evento, o bioquímico Gildásio Carvalho.

Vetor

Doutor em virologia, o farmacêutico  Gubio Campos, que descobriu o zika vírus no Brasil, disse que os cientistas deverão pesquisar se o pernilongo é um vetor da doença na Bahia, assim como a descoberta feita pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Pernambuco, três dias atrás.

“Junto com uma equipe do Hospital São Rafael, estamos fazendo análises de laboratório para verificar a ação do vírus nas células nervosas e tronco, mas faltam muitos estudos”, diz.

Professora da Ufba, a geneticista Angelina Acosta acredita que a descoberta relacionada a pernilongos pode contribuir para explicar o avanço do zika.

Fonte: A Tarde

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje