Cartola do Vitória não quer ‘nem comentar’ eleições diretas

vitória

A pouco mais de seis meses do fim do mandato-tampão do presidente do Esporte Clube Vitória, Raimundo Viana – ele assumiu no lugar de Carlos Falcão, que pediu para sair no dia 31 de março de 2015 –, o torcedor rubro-negro ainda não sabe se a agremiação terá a prometida eleição direta. No dia 14 de janeiro de 2016, durante a Lavagem do Bonfim, o cartola exaltava uma decisão judicial que anulou o novo estatuto, que foi reformulado após assembleia realizada no final do ano passado.

A justificativa do dirigente, à época, era de que o documento precisava ser aprovado antes pelos conselheiros. Quatro meses depois, o assunto “democracia no Leão da Barra” foi esquecido. Nesta segunda-feira (16), ocorreu uma nova reunião da diretoria, mas a discussão sobre o pleito não entrou na pauta.

O presidente do Conselho Deliberativo, deputado federal José Rocha (PR-BA), que há cinco meses pediu a anulação da decisão judicial, disse ao bahia.ba que o vice-presidente do Conselho Diretor, Manoel Matos, o informou na semana passada que montou uma comissão para apresentar novas sugestões ao estatuto, independentemente do resultado da ação que ainda tramita na Justiça. “A decisão pode sair a qualquer hora. Se a juíza [Nicia Olga Andrade, integrante da 3ª Turma Recursal do Tribunal de Justiça da Bahia] decidir favoravelmente, as sugestões [dos conselheiros] não serão acatadas, pois persiste o novo estatuto já homologado pela assembleia-geral”, afirmou o parlamentar.

Consultado pela reportagem, Manoel Matos negou ter envolvimento com a discussão sobre eleições diretas, mas pediu para não falar sobre o assunto. “Não participei de nenhuma reunião. É com Raimundo Viana. Acho que a gente não deveria nem comentar esse assunto de estatuto por agora, pois o pessoal que está fazendo isso [as sugestões] ainda deve apresentar [propostas] ao conselho”, esquivou-se.

Fonte: bahia.ba

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje