Brasil perde 8 posições em ranking das economias mais competitivas do mundo

O pessimismo com a economia do Brasil e a piora em alguns indicadores, como o desempenho das contas públicas, levaram o Brasil a perder oito posições no ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) deste ano.

Entre 2012 e 2013, o país caiu da 48ª para a 56ª posição –entre 148 nações.

México, Costa Rica e África do Sul, que tinham nota inferior à brasileira um ano antes, são exemplos de países que passaram à frente.

O índice mescla dados estatísticos, como expectativa de vida, matrículas do ensino básico e inflação, com a opinião de 2.000 executivos do país sobre problemas que emperram os negócios.

São 12 os tópicos analisados, como infraestrutura, inovação e sofisticação dos negócios. Em 11 deles, o Brasil perdeu pontos. Só conseguiu manter o 9º lugar no item tamanho de mercado.

Responsável por analisar os dados do Brasil, Carlos Arruda, da Fundação Dom Cabral –entidade associada ao WEF– diz que o país teve uma avaliação negativa tanto nos dados estatísticos quanto na percepção dos executivos.

“A estatística é olhar o passado e as entrevistas são o que pensam os que tomam decisões futuras”, diz Arruda. “A percepção é que as coisas não estão tão ruins mas poderiam estar melhores”.

Os dados são dois terços da nota. Neste conceito, o Brasil perdeu pontos principalmente na gestão econômica, tópico composto exclusivamente por informações estatísticas. O Brasil caiu 13 posições, de 62º para 75º.

A pesquisa captou que o endividamento do governo aumentou e a poupança doméstica encolheu, o que afetou o desempenho do país, apesar da inflação em 2012 (5,84%) ter cedido em relação à de 2011 (6,5%).

Os itens em que o Brasil mais perdeu, contudo, são eficiência do mercado de trabalho (de 69º para 92º) e eficiência do mercado de bens (de 104º para 123º). A opinião dos executivos representa de 80% a 70% da nota. Os executivos foram entrevistados entre fevereiro e abril deste ano.

Arruda afirma que a percepção é que o Brasil não fez reformas durante a bonança, como flexibilizações no mercado de trabalho, e agora isso é mais difícil. Além disso, observa que o país tem avaliação negativa em itens relacionados à burocracia, como os procedimentos aduaneiros.

Parte da piora do Brasil, porém, se deve a uma mudança na metodologia do indicador, que passou a computar carga tributária sobre a folha de pagamentos neste ano. O Brasil já entrou mal avaliado no quesito, apesar das desonerações do governo.

“Medidas como essa [desonerações] são tidas como paliativas e não para valer. A pesquisa tende avaliar negativamente ações casuísticas”, diz Arruda.

O economista André Sacconato, da Brain — associação que reúne bancos e entidades como a Cetip e BM&FBovespa e que tem como objetivo desenvolver um ambiente favorável de negócios no Brasil –, pondera que se trata de um índice relativo, ou seja, leva em conta o desempenho dos demais países.

“O país não está muito pior do que no ano passado. O mercado de trabalho não piorou desde então. Mas se não melhorou e os outros, sim, o país perde posições”, afirma.

A assessoria de imprensa do Ministério da Fazenda informou que o ministro estava em trânsito para a Rússia, onde participa do encontro do G20, e não poderia comentar a pesquisa.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje