Benefício à exportação de soja pode encarecer o frango para o consumidor

A desoneração da cesta básica, que teve o objetivo de conter a inflação, pode ter efeito contrário nos preços de aves e suínos caso algumas compensações estudadas para a soja se concretizem.

Folha apurou com fontes do setor que o governo pretende acabar com o acúmulo de créditos de PIS e Cofins da cadeia da soja nas operações de compra e venda no mercado interno.

Com a recente isenção dos tributos na venda de derivados de soja que compõem a cesta básica, como óleo e margarina, as indústrias processadoras ficaram impossibilitadas de recuperar os créditos acumulados em elos anteriores da cadeia produtiva que não foram desonerados.

Ao acabar com o acúmulo de créditos na venda e compra de soja do mercado interno, o governo corrigiria uma distorção criada pela desoneração, abrindo espaço para a queda de preço dos produtos da cesta básica.

O problema é que o governo também pretende conceder um crédito tributário vinculado às exportações de farelo e de óleo de soja.

A medida é semelhante ao modelo adotado no Reintegra, programa que devolve às empresas até 3% da receita com as vendas externas e que tem o objetivo de neutralizar os tributos incidentes sobre essas operações.

Na prática, o governo deve estimular as exportações de produtos da cadeia da soja com maior valor agregado do que o grão. Com a maior participação de industrializados na balança, a expectativa é de melhora nos resultados da balança comercial.

Na semana passada, o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, disse que o governo estudava “ajustes” para que os produtores, como os de soja, não ficassem com créditos acumulados, mas não deu detalhes sobre como essa compensação seria feita.

IMPACTO

A indústria de carnes teme que o incentivo à exportação de industrializados de soja reduza a oferta do produto e de seus derivados no país, aumentando os custos de produção de aves e suínos –milho e farelo de soja respondem por 85% do custo da ração dos animais.

“A preocupação do setor agroindustrial e de alimentos (…) é que essa nova medida acarrete custos ainda maiores desses insumos e, consequentemente, aumento de preços ao consumidor, anulando os efeitos da desoneração da cesta básica”, diz a Ubabef (associação dos produtores e exportadores de carne de frango) em nota.

No ano passado, as indústrias de aves e suínos sofreram com a alta dos preços dos grãos, provocada pela seca que prejudicou as safras dos EUA e da América do Sul.

No quarto trimestre, elas aumentaram os preços das carnes para compensar a alta dos custos –alguns reajustes chegaram a 10%.

“Dessa vez, não vamos esperar tanto tempo para fazer o repasse de preço. Já estamos trabalhando com margens muito apertadas”, diz o executivo de uma grande indústria de alimentos que pediu que não fosse identificado.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje