BATE PRONTO 11

A imprensa, historicamente, sempre exerceu a função de fiscalizar as ações dos poderosos. Uma regra quase que universal. Mas em Alagoinhas, onde tudo parece ter contornos bem particulares, a docilidade dos meios de comunicação espanta e agride uma regra básica do jornalismo: nossa atividade tem que incomodar e não acomodar, criticar ao invés de construir artificialidades, fazendo valer os interesses coletivos em detrimento das questões pessoais, que envolvem amizades, valores auferidos, negócios, sinecuras, contratos publicitários.

A cidade se desenvolve. Nossa imprensa vive no passado e não pensa no futuro. Pensa em seus interesses. Existem exceções, é claro.

Entrevista I

O prefeito Paulo Cezar concedeu entrevista ao programa Primeira Mão na sexta-feira, mas parece que comandou a pauta. Ele, que não tem grande eloquência, determinou o ritmo e o momento da entrevista (?) ser encerrada.

Entrevista II

O engenheiro Haroldo Azi, neófito das lides comunicacionais, precisa decidir se ao microfone ele continua sendo o apoiador de PC e correligionário, o empresário ou  pretende se transformar de fato em um comunicador.

Entrevista III

O prefeito se dispôs a marcar uma entrevista do ministro César Borges no programa Primeira Mão. Além de ser o mandatário municipal, com tantas atribuições, ele encontrará tempo para ser pauteiro?

Entrevista IV

Sem a menor cerimônia, como de costume, PC disse: “eu tenho vocês da imprensa”. É preciso que ele explique o que representa esta frase. E que a imprensa amestrada explique quais os motivos que a fazem tão dócil ao governo municipal. Prefeito, retire o Alagoinhas Hoje e seu editor do rol de seus vassalos.

Entrevista V

Mesmo sem citar o Alagoinhas Hoje, o prefeito fez algumas referências a um site: “Quem tem computador escreve o que quer”, disse. Diante de sua tibieza intelectual, é bom explicar que não bastam apenas computadores. Computador não transforma ninguém em jornalista. Melhor ele não citar o Alagoinhas Hoje, pois o site perderia sua credibilidade.

Pindobal

A despeito das possíveis responsabilidades da Petrobrás na situação que se verifica no Pindobal, uma pergunta se impõe: o que a prefeitura tem feito pela localidade, que segundo uma fonte, está completamente abandonada. Os royalties oriundos do petróleo extraído de lá retornam em benefícios para a comunidade? Marque a alternativa correta.

Reclamação

Leitor reclama da falta de estrutura do Posto de Saúde que funciona na antiga sede da SMTT. Cadeirante, ele afirma que não existe rampa de acesso para se chegar ao interior do posto. Ao contrário do Projeto Binário, que envolve milhões de reais, problemas desta ordem não interessam ao governo. Mas são muito importantes para pessoas com necessidades especiais.

Aluguel

Para a SECOM é notícia a mudança da sede da Secretaria de Saúde. Até aí tudo bem. Mas quanto custa o aluguel do imóvel? Quem é o proprietário da suntuosa casa? Levar a saúde a sério exige mais do que uma simples mudança de local. Mais um release sem sal e açúcar, mas sempre se dá um jeitinho de incluir o nome do prefeito nos textos oficiais.

DUDALINA I

Basta ver as fotos oficiais e lá estarão as camisas DUDALINA enfeitando os “donos” da Prefeitura de Alagoinhas. Em tempos bicudos, eles não podiam nem passar nas portas das lojas da grife. A publicidade da marca diz “que ela é um camisaria perfeita para homens bem posicionados profissionalmente”. O que a politica não faz. Do inferno ao céu em menos de cinco anos.

DUDALINA II

Em tempo: a marca tem roupas femininas. Os cargos de confiança da prefeitura estão proporcionando muitos lucros ao caixa da grife. Haja dinheiro para tanto luxo e sinais exteriores de “eu posso comprar”.

 

 

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje