Bancários rejeitam proposta de reajuste salarial e mantêm greve

O Comando Nacional dos Bancários rejeitou a proposta de reajuste salarial de 7,1% oferecida pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) na tarde desta sexta-feira. A entidade afirma que a greve vai continuar.

A paralisação mobiliza 24 mil trabalhadores, de acordo com balanço feito pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, na quinta-feira, 3. A associação estima que cerca de 715 agências e 12 centros administrativos de bancos participam do movimento.O comércio já teme um forte impacto nas vendas.

O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), avaliou que a proposta é muito baixa.

“A proposta da Fenaban foi uma decepção. O lucro dos bancos está em torno de R$ 60 bilhões, de acordo com o relatório do Banco Central. E eles nos oferecem menos de 1% (de reajuste real)”, afirma o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.

“Rejeitamos e vamos orientar nossos sindicatos a fortalecer a greve para ver se a Fenaban melhora a proposta”, disse Cordeiro.

Os bancários pedem reajuste salarial de 11,93%, aumento do piso para R$ 2.860 e participação nos lucros e resultado (PLR) de três salários mínimos mais R$ 5.553,15. Além disso, querem o fim das metas individuais e de assédio moral que, segundo a confederação, adoecem os bancários.

Segundo a federação dos bancos, o piso salarial da categoria subiu mais de 75% nos últimos sete anos e os salários foram reajustados em 58%. Isto, de acordo com a Fenaban, significa um aumento real de mais de 23%.

Fonte: O Estado de São Paulo

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje