Autógrafo, foto digital e corpo a corpo eleitoral

1. Um político conhecido em campanha, fazendo um corpo a corpo, era abordado por eleitores que pediam autógrafo. Isso impacientava vários deles, que queriam prosseguir no corpo a corpo. Achavam que dar autógrafo era perder vários apertos de mãos. Os autógrafos iam se transformando em rubricas irreconhecíveis.
      
2. De uns tempos para cá, os eleitores passaram a pedir aos candidatos conhecidos, fotos, com seus celulares, com seus smartphones. Da mesma forma, candidatos se impacientam em serem parados para tirar fotos com eleitores. Esses eleitores pedem a amigos a seu lado que tirem a foto, ou os mesmos fazem um selfie.
      
3. Da mesma forma que antes, alguns ou vários candidatos se impacientam pela mesma razão que no caso de autógrafos. Acham que vão perder tempo no corpo a corpo e apertarão menos mãos em seguida. Um erro grave nos dias de hoje.
      
4. Hoje, todas as pessoas com smartphone tem sua rede, Facebook por exemplo. A cada foto com candidato conhecido postam em seu Facebook. Quanto menos, tem 50 amigos em seu Facebook.  Ou seja: instantaneamente repassam a foto para 50 amigos. Uma foto simpática de um político conhecido tem uma enorme probabilidade de ser repassada nas redes dos amigos.
      
5. Se o candidato se nega a tirar a foto, o eleitor tira a foto por trás ou pelo lado, posta no Facebook com um comentário negativo pela antipatia. O multiplicador será negativo.
       
6. As fotos por smartphone, em campanha durante o corpo a corpo, são muito mais eficazes que seguir no corpo a corpo e muito, muito mais eficazes que o autografo frio num papel. São mais eficazes por três razões: i) quantitativamente por atingir de forma muito melhor, muito mais eleitores que os apertos de mãos seguintes conseguiriam. E com algum comentário com o nome do candidato: um panfleto digital; ii) qualitativamente for se tratar de fotos e não de rubricas rabiscadas; iii) pelo multiplicador potencial de alguns amigos da rede própria do eleitor repassarem a suas próprias redes, ampliando os 50 iniciais.
       
7. Essa é uma situação nova que os candidatos devem absorver, agradecer e até estimular através dos que o acompanham.

Fonte: Ex-Blog de Cesar Maia

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje