Acusado do maior desfalque a banco do país hoje vive de bico

O principal acusado do maior desfalque a banco da história do país, o desvio de US$ 242 milhões do antigo Noroeste nos anos 90, vive hoje da aposentadoria do INSS e faz bicos para reforçar o orçamento.

Nelson Sakagushi, 66 anos, já foi verdureiro, corretor de imóveis e vendedor de produtos químicos. Sem nada no momento, o ex-diretor da área internacional do Noroeste agora tenta dar aulas numa escola de inglês.

Por causa do escândalo, que veio à tona em 1998, diz ter perdido quase todo o patrimônio construído nos tempos de executivo. A casa no condomínio de alto padrão, o sítio no interior e os carros foram vendidos ao longo dos últimos 15 anos para quitar dívidas e pagar a escola dos filhos.

De acordo com suas contas, somando as aposentadorias do casal e a receita da mulher com aulas de português e matemática, hoje consegue juntar cerca de R$ 5.500 no fim do mês. No auge da carreira, encerrada com a descoberta do desfalque, ganhava o equivalente a US$ 25 mil (cerca RS$ 50 mil hoje), tinha carro do banco e recebia dois bônus por ano.

“Você acha que, se tivesse dinheiro, ia passar tanto tempo no sufoco? Não peguei esses US$ 200 e tantos milhões, nem US$ 10 milhões, nem US$ 1 milhão.”

Marcelo Soubhia – 9.abr.98/Folhapress
Nelson Sakagushi, em foto de 1998, época em que foi acusado de envolvimento em sumiço de recursos no banco Noroeste
Nelson Sakagushi, em foto de 1998, época em que foi acusado de envolvimento em sumiço de recursos no banco Noroeste

Sakagushi conversou com a Folha no último dia 11, no escritório de seu advogado, no centro de Embu das Artes. Foi sua primeira entrevista nos últimos dez anos. Foi vago em alguns pontos, não quis ser fotografado e exigiu que o repórter deixasse o paletó, a bolsa e tudo que tinha nos bolsos antes de vê-lo. “Ele acha que você pode ter uma câmara escondida”, explicou o advogado José Tadeu Galeti.

Sakagushi sempre negou ter colocado a mão no dinheiro do banco. A diferença, desta vez, é que a versão é confirmada pelo lado de lá. Os advogados dos ex-proprietários do Noroeste dizem que, depois de vasculhar sua vida durante anos, concluíram que Sakagushi não ficou com nada para ele.

“Perdeu tudo para uma quadrilha de vigaristas nigerianos e entregou cerca de US$ 10 milhões a uma mãe de santo, sua guia espiritual”, diz o advogado Domingos Refinetti, chefe da operação de busca que recuperou para os ex-controladores mais da metade dos recursos desviados.

“Sakagushi é um doido. Juntou-se aos nigerianos para dar um golpe no banco e acabou tomando um golpe deles”, diz o advogado Otto Steiner, ex-diretor jurídico do Noroeste e primeiro a investigar o caso.

GOLPE

O dinheiro do Noroeste começou a sumir em 1995, a partir de uma agência que o banco tinha nas ilhas Cayman, um paraíso fiscal do Caribe. A maior parte foi transferida para Suíça, Reino Unido e Estados Unidos –em contas usadas por uma quadrilha internacional de lavagem de dinheiro, baseada na Nigéria. Como as operações eram escondidas por meio de extratos e documentos falsos, durante um bom tempo ninguém percebeu nada de anormal na filial do Caribe.

As famílias Cochrane e Simonsen, donas do banco, só deram falta dos US$ 242 milhões três anos depois, quando venderam o banco para o Santander. Para não perder o negócio, precisaram devolver metade dos US$ 480 milhões que tinham recebido do banco espanhol.

O responsável pelas transferências era Sakagushi, mas três de seus subordinados também se envolveram. A descoberta foi um choque no banco. Funcionário exemplar, quase 15 anos de casa, ele representava o Noroeste nos encontros do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial.

O ex-diretor diz que foi vítima na história, não o criminoso. Teria sido convencido a investir na construção de um aeroporto na Nigéria por um grupo de funcionários do governo e empresários daquele país. Quando deu por si, não havia aeroporto algum e o dinheiro tinha sumido.

Diz que acreditava estar fazendo um bom negócio para o Noroeste, mas não esclarece porque agiu às escondidas. “Mais gente no banco sabia”, limita-se a dizer.

PRISÃO

Do dinheiro sumido das ilhas Cayman, os ex-controladores do Noroeste recuperaram US$ 150 milhões, que estavam investidos em aplicações financeiras, imóveis e empresas comprados pelos nigerianos. Essa quadrilha mais tarde foi desmantelada, e os golpistas foram condenados e presos em seu país.

Sakagushi responde a um processo que se arrasta há 14 anos no Brasil, mas já foi condenado por lavagem de dinheiro e ficou dois anos preso –na Suíça.

Foi o momento mais sofrido para a família Sakagushi. Com uma ordem de prisão contra ele na Suiça, foi detido em 2002 ao pisar no aeroporto JFK, em Nova York, e deportado para Genebra. Na cadeia, trabalhava na cozinha e mandava de US$ 400 a US$ 450 por mês para casa.

Ex-colegas do banco lembram que naquela fase sua mulher vendia arranjos de flores em feiras de artesanato da região de Cotia, onde a família morava.

No retorno ao Brasil, em 2004, já endividado, pegou dinheiro emprestado com parentes, comprou um caminhão velho e começou a plantar verduras e legumes no sítio de Atibaia. Vendia a produção em pequenos mercados, na beira da estrada, e chegou a ser fornecedor de um supermercado. O negócio não deu certo, “porque tinha muita gente torcendo contra”, e ele acabou se desfazendo do sítio e do caminhão para pagar dívidas.

Depois foi corretor de imóveis, vendeu produtos químicos para pequenas indústrias e chegou a entrar numa importadora de pedras decorativas, que nem chegou a funcionar. No começo do ano, tentou emprego numa escola de inglês, mas foi rejeitado. Acha que foi por causa da idade.

A situação da família do ex-diretor do Noroeste hoje é mais tranquila. “Agora minhas duas filhas trabalham e ajudam em casa. As contas do dia a dia estão equilibradas, mas precisei fazer um empréstimo consignado para pagar dívidas que sobraram.” Uma das filhas é professora de educação física, a outra é bancária, e o filho ainda estuda.

Os cinco moram numa casa de 250 metros quadrados em Vargem Grande do Sul, região metropolitana de São Paulo. Ele tem um Golf 1995, a mulher, um Toyota Corolla 2004, e uma das filhas comprou um Fiesta 1.0, ano 2008, financiado em 72 prestações. Esse é o patrimônio atual de Sakagushi. Antes do escândalo, o então executivo era dono de uma casa de 500 metros quadrados num condomínio de alto padrão, um sítio em Itatiba e três carros grandes.

A prioridade, neste fim de ano, é cuidar do processo penal. Aberto em 1999, tem 52 volumes, mais de 10 mil páginas, envolve outros ex-funcionários do Noroeste e corre em segredo de Justiça.

No fim do mês, acaba o prazo para que os réus apresentem seus últimos argumentos e depois disso a papelada será entregue ao juiz da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, que começará a avaliar o caso. Sakagushi é o principal acusado, por crimes como desvio de valores ou induzir o Banco Central a erro. Advogados que acompanham o caso calculam que, se for condenado, o ex-diretor do Noroeste poderá pegar de 7 a 22 anos de prisão.

Fonte: Folha de São Paulo

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje