Zerar emissões exige ao menos US$ 10 trilhões em coberturas de seguro, diz relatório

A cobertura de seguradoras será crucial para mais da metade dos US$ 19 trilhões de investimentos já comprometidos para financiar a meta de zerar as emissões líquidas de gases poluentes, colocando “pressões estruturais sem precedentes” sobre o setor, de acordo com um novo relatório.

A corretora de seguros Howden e o BCG (Boston Consulting Group) concluíram que pelo menos US$ 10 trilhões de novas coberturas serão necessários para os setores de energia, transporte rodoviário e construção entre 2023 e 2030, incluindo grandes projetos de infraestrutura como parques eólicos offshore, fazendas solares, bem como a isolamento de estoques habitacionais existentes.

Rowan Douglas, diretor executivo da equipe climática da Howden, disse que o relatório foi concebido como um “alerta” sobre o papel vital da cobertura de seguro na transição energética e os desafios que isso apresenta. As pressões sobre o mercado seriam difundidas e sentidas por todos os lados, acrescentou.

“Estamos passando por essa transição energética globalmente, em ritmo e escala, tudo ao mesmo tempo.”

Executivos e formuladores de políticas têm se concentrado cada vez mais no papel facilitador do seguro na construção da infraestrutura e tecnologia necessárias para a transição energética. Eles também têm questionado se há capacidade suficiente na indústria para tomar esses riscos complexos e abrangentes.

As seguradoras já fornecem coberturas adicionais em diversas áreas, desde veículos movidos a hidrogênio e elétricos até energia eólica offshore e materiais de construção híbridos, e planejam expandir para novas tecnologias.

Mas também há pressão sobre as seguradoras para serem cautelosas sobre a quantidade de novos riscos que assumem em áreas onde há falta de dados históricos sobre perdas.

“As novas tecnologias energéticas estão indo além em termos de inovação, e isso traz incertezas. Por isso há cautela ao tomar riscos”, disse Rowan. “Se houver uma escassez de capacidade, é provável que a capacidade flua para áreas mais compreendidas e mais lucrativas.”

As seguradoras também estão trabalhando em estreita colaboração com grupos de energia verde para reduzir os riscos de novas tecnologias e projetos, como ajustar as posições dos painéis solares quando houver previsão de mau tempo, após episódios recentes de danos graves causados por granizo.

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje

Menu de Topo