Resultados eleitorais indicam que políticos de Alagoinhas precisam se reciclar – Maurílio Fontes

Os resultados eleitorais saídos das urnas na noite deste domingo indicam que os políticos de Alagoinhas precisam se reciclar para não perderem o bonde da história, que percorre trilhos reais e imaginários, às vezes difíceis de apreender. O fato é que o fracasso foi quase geral, demonstrando o desagrado generalizado dos eleitores de Alagoinhas, que registraram grande percentual de votos brancos.

Novas abordagens terão que ser implementadas, imagens precisarão ser reposicionadas e trajetórias políticas modernizadas, sob pena dos políticos alagoinhenses irem para o limbo da história, com prejuízos para eles mesmos, mas também para a cidade, que precisa de representatividade parlamentar para continuar crescendo e conquistando novos resultados em áreas importantes ao nosso desenvolvimento.

A votação do deputado Joseildo Ramos passou longe dos resultados projetados para Alagoinhas e no cômputo geral de sua campanha. João Rabelo, candidato do prefeito Paulo Cezar, demonstrou não possuir musculatura política para alçar novos voos eleitorais e conseguiu menos votos do que o ex-prefeito de Sátiro Dias, o médico Joaquim Neto, franco atirador, que ao contrário de Rabelo, mostrou ter força eleitoral na cidade e em municípios vizinhas. 

A campanha do vereador Jorge Mendes, presidente da Câmara de Vereadores de Alagoinhas, que teve estrutura para tocar suas pretensões, fracassou e transformou o “prefeitinho” do Riacho da Guia em uma figura menor da política alagoinhense. Até pela pífia votação obtida por João Gualberto, na contramão dos recursos supostamente investidos (existem versões para todos os gostos). O empresário, ao contrário do que pretendeu, não terá voz nas futuras disputas políticas de Alagoinhas. 

Sozinho, Gustavo Carmo até que obteve votação aceitável, porque não contou com ajuda do seu partido, afeito apenas a focar em ações de interesse dos irmãos Vieira Lima, cuja ação política, demonstrou mais uma vez, não estar à altura das tradições da Bahia. Geddel, embora relativamente, é carta fora do baralho nos próximos embates. 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje