Representantes da ABI e Sinjorba são recebidos na Secretaria da Segurança Pública

Por sugestão do Conselho de Comunicação Social da Bahia, o secretário estadual da Segurança Pública, Maurício Barbosa, recebeu na tarde desta quinta-feira (28) integrantes das entidades representativas dos jornalistas baianos. Ao lado da secretária de Comunicação Social, Marlupe Caldas, o secretário ouviu as principais reivindicações da categoria em relação à atuação policial.

Ameaças a jornalistas ligados à cobertura do ‘Caso Geovane’, jovem desaparecido e encontrado morto após abordagem policial, foi o principal assunto do encontro. A Associação Bahiana de Imprensa (ABI) enviou ao governador Jaques Wagner documento, em repúdio à intimidação dos profissionais, recebido pelo titular da SSP na tarde de quarta (27).

“É preciso averiguar não apenas esse fato, mas tantas outras ameaças feitas de forma anônima e no dia a dia nas ruas”, afirmou a presidente do Sindicato dos Jornalistas (Sinjorba), Marjorie Moura, durante a reunião na Secretaria da Segurança Pública (SSP), em Salvador. Ela diz que há esforços por parte do comando-geral da Polícia Militar para melhorar o relacionamento entre jornalistas e policiais, no entanto, relata a existência de PMs que, de forma intimidadora, tentam impedir o trabalho dos repórteres.

Já o presidente da ABI, Walter Pinheiro, recordou os casos de abusos policiais contra jornalistas denunciados durante as manifestações populares no período da Copa da Confederações. Ao lado de diretores da entidade, Pinheiro também solicitou ações mais enérgicas da SSP em relação às más condutas policiais quanto aos profissionais de imprensa.

Após ouvir os relatos dos representantes dos jornalistas, Barbosa divulgou algumas ações da pasta na preservação dos profissionais de comunicação e para a garantia da liberdade de imprensa. Também apontou as principais dificuldades encontradas para a aplicação de penalidades mais severas a policiais que dificultam a atuação dos jornalistas.

“Para adotarmos medidas mais efetivas contra este tipo de conduta é preciso que as vítimas formalizem as denúncias”, disse. De acordo com ele, depoimentos e a colaboração para busca de provas são indispensáveis para o encaminhamento de um inquérito policial coeso à Justiça.

Secom  – Secretaria de Comunicação Social – Governo da Bahia

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje