"PL 4330: Pagamento para os financiadores de campanhas", afirma deputado Chico Alencar – Exclusiva

Chico Alencar

Em entrevista concedida na manhã desta sexta-feira (24) ao editor do Alagoinhas Hoje, antes do início da audiência pública sobre a terceirização, que aconteceu na Assembleia Legislativa, o deputado federal Chico Alencar (PSOL/RJ), afirmou que pela primeira vez nos últimos 30 anos se vota uma matéria de tamanha incidência nas relações de trabalho do país, por isso o projeto deveria merecer atenção, debates e audiências, sobretudo dos trabalhadores.

Alencar admitiu que as relações de trabalho são modificadas com o avanço tecnológico e a compartimentação da produção é um dado do mundo contemporâneo e o Brasil não está alheio a isso. ” Agora, tudo em geral que dizem que é tendência mundial, tem entrado no Brasil de forma perversa e adulterada, uma contrafação grosseira daquilo que se diz sinal dos tempos”, registrou, acrescentando que “a terceirização aprovada na Câmara dos Deputados, ampla, geral e irrestrita, significa a precarização e o fator trabalho será  ainda menos remunerado”.

Em relação ao deputado Eduardo Cunha, o líder da bancada do PSOL na Câmara Federal salientou que o presidente fez uma campanha milionária, a mais cara do Rio, com gastos declarados de quase R$ 7 milhões. “Ele é um homem do empresariado, é um homem dos negócios, não esconde isso, e diz que faz a política do mercado. O papel dele foi fundamental, porque este projeto estava parado e na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), no ano passado, quando se tentou votar, não avançou. Ele avocou para o plenário o pedido de urgência, aprovou e fez com que o PL 4330/2004 entrasse na pauta e fosse votado a toque de caixa, com várias manobras regimentais, impedindo a democrática manifestação do plenário sobre uma emenda do PT, que estabelecia que terceirização só valeria para atividade meio e não para atividade fim. Não pudemos sequer discutir este ponto e apreciar a matéria”, pontuou Alencar.

Questionado sobre os poderes do presidente da Câmara dos Deputados, o líder do PSOL assegurou que há uma ditadura do presidente e Eduardo Cunha interpreta o regimento de acordo com seus interesses, além de interromper falas e é quase um comentarista da intervenção dos parlamentares. “Há, também, uma certa ditadura dos líderes, eu falo isso, inclusive, no lugar de líder do PSOL, que ocupo este ano. Precisa rever muita coisa e o poder da Mesa Diretora, em especial do presidente, até de barrar pessoas, é muito grande. Os trabalhadores não puderam acompanhar a votação do PL da Terceirização, mas os empresários estavam lá e parece que o critério é terno bem cortado e gravata”, ressaltou.

Alencar garantiu que o antagonismo entre Renan Calheiros e Eduardo Cunha precisa ser conferido e há uma identidade de práticas entre eles, pois ambos são investigados na Operação Lava Jato. “Quando os conservadores divergem entre si, melhora um pouquinho para os progressistas. É o império da chamada pequena política, do clientelismo, do fisiologismo e do patrimonialismo nos quais os dois são muito versados. É muito ruim para o Brasil termos dois chefes de poder com este grau de concepção e com esta maneira de operar eventuais divergências”, disse ao Alagoinhas Hoje o deputado Chico Alencar.

Na sua intervenção, no decorrer da audiência pública realizada com a coordenação do deputado estadual Joseildo Ramos (PT), o representante do PSOL registrou que o PL 4330/2004 é o pagamento para os financiadores de campanhas políticas.

O deputado carioca afirmou ao Alagoinhas Hoje que não recebeu sequer um centavo de empresários para financiar sua campanha de 2014. “Apenas contribuições de amigos”, garantiu.

Jean Wyllys

Alencar afirmou que o papel de Jean Wyllys na Câmara dos Deputados é fundamental por ele ser desassombrado e assumir pautas do Movimento LGBT, da diversidade, o que nenhum parlamentar assume. “Temos orgulho dele fazer parte de nossa pequena bancada do PSOL. O Jean é uma figura mundial, que tem espírito coletivo, partidário e a concepção avançada, indo contra a corrente, ele não tem medo da divergência, é uma pessoa muito preparada. É um grande deputado. De Alagoinhas para o mundo”, salientou.

Foto: Alagoinhas Hoje

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje