Peregrinos da Jornada da Juventude buscam refúgio no Brasil

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) informou ontem que em torno de 40 participantes estrangeiros da Jornada Mundial da Juventude pediram refúgio às autoridades brasileiras.

Os peregrinos vindos de outros países estiveram no encontro internacional de jovens católicos, realizado entre os dias 23 e 28 de julho no Rio. Entre as razões apresentadas para a permanência no Brasil estariam casos de perseguições associadas a questões religiosas ou a existência de conflitos armados em seus países de origem.

Os pedidos estão sendo analisados pelo Comitê Nacional para Refugiados, uma divisão do Ministério da Justiça.

“Meu pai foi morto por ser cristão, e sempre disse a minha mãe que isso poderia acontecer com nossa família. Sendo também cristão, a JMJ foi a única oportunidade que tive para conseguir um visto e sair do meu país”, disse um jovem católico de Serra Leoa (África), 24, em entrevista ao site da ACNUR no Brasil.

De acordo com a agência da ONU, no Rio de Janeiro, há doze pedidos de refúgio associados a perseguições religiosas.

“Não temos dados específicos sobre este tema, pois muitas vezes as questões religiosas se misturam com perseguições associadas a motivos políticos. Faremos um acompanhamento detalhado destes casos, pois o pedido de refúgio devido a questões religiosas é uma questão complexa de ser decidida”, afirmou o representante do ACNUR no Brasil, Andrés Ramirez, no site da entidade.

Fonte: Folha de São Paulo

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje