Ministros defendem extinção da Empresa Brasileira de Comunicação

EBC-foto-ABI

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) está com os dias contados, conforme o colunista Jorges Bastos Moreno, do jornal O Globo. Ele sua coluna de sábado, ele informa que o presidente interino Michel Temer está decidido a extinguir a empresa.

Criada em 2007 para fortalecer o sistema público de comunicação, a EBC é gestora da TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil, Radioagência Nacional e do sistema público de Rádio, composto por oito emissoras, entre elas as rádios MEC AM e MEC FM.

A extinção da empresa é dada praticamente certa e contaria com o avla dos ministros Geddel Vieira Lima, da Secretaria de Governo, e Moreira Franco, da Secretaria-Executiva o Programa de Parcerias de Investimentos.

Tida como um dos principais focos de disputa entre o atual governo e a presidente afastada Dilma Rousseff, empresa vive uma situação de duplo comando desde a semana passada, quando o Supremo Tribunal Federal determinou a volta do jornalista Ricardo Melo à direção. Ele havia sido nomeado para um mandato de quatro anos por Dilma, uma semana antes do afastamento da presidente.

A decisão judicial reintegra Melo ao quadro diretivo, mas não revoga a nomeação do também jornalista Laerte Rímoli, assinada por Temer, que recebeu a empresa com déficit de R$ 94,8 milhões e dívidas de R$ 20 milhões.

Ao defender a proposta de extinção da empresa, Geddel Vieira Lima afirma que a EBC é “emblema do aparelhamento do PT no governo e que só gera desperdício de dinheiro”.

Moreira Franco, por sua vez, diz que não faz sentido manter uma estatal com programação parecida com a das empresas privadas, como ocorre hoje. Ele informou que foi encomendado ao Ministério do Planejamento um estudo de viabilidade da empresa.

Ao assumir a direção da EBC, o jornalista Laerte Rimoli iniciou um levantamento no quadro de funcionários, identificando 11 gerentes de si próprios e 30 coordenadores sem subordinados.

O jornalista cortou duas das oito diretorias e reduziu de 42% para 33% o porcentual de cargos ocupados por servidores de fora do quadro da EBC – a recomendação é de que o índice não passe de 30%. Também foram suspensos contratos de quase R$ 3 milhões anuais.A empresa tem hoje mais de 2.600 funcionários.

Fonte: bahia.ba

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje